Meteorologia

  • 01 MARçO 2021
Tempo
17º
MIN 9º MÁX 18º

Edição

Comissária europeia da Saúde adverte contra compras paralelas de vacinas

A comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, advertiu hoje que "negociações paralelas" para a compra de vacinas "prejudicam a eficácia" da estratégia da Comissão Europeia, na sequência de notícias de contratos paralelos por alguns Estados-membros.

Comissária europeia da Saúde adverte contra compras paralelas de vacinas

"Desde o início [da pandemia], sublinhámos que a nossa estratégia de vacinação passa por desenvolver uma carteira diversificada de vacinas", afirmou Stella Kyriakides em conferência de imprensa no final de uma reunião informal de ministros da Saúde dos 27 Estados-membros.

"Um dos princípios norteadores é evitar negociações paralelas, porque prejudicariam a eficácia desta estratégia", acrescentou, frisando estar "muito confiante" na "intenção de todos os Estados-membros de cumprir com este acordo".

A comissária falava em conferência de imprensa conjunta com a ministra da Saúde, Marta Temido, no final de uma reunião informal de ministros da Saúde da União Europeia (UE), por videoconferência a partir do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, para fazer um ponto de situação das estratégias para a vacinação contra a covid-19 e para o combate à pandemia.

Marta Temido reforçou também o apelo para a "compra conjunta das vacinas contra a covid-19", sublinhando que ela dá uma clara vantagem os Estados-membros.

"Nós chegámos até aqui porque nos mantivemos em conjunto a trabalhar no apoio aos instrumentos de financiamento para o desenvolvimento de vacinas, no apoio às compras conjuntas, no apoio à distribuição, garantindo o acesso a todos os países ao mesmo tempo, e no apoio à atribuição de quantidades em função da população a cada um dos países", apontou a ministra.

"O artigo sétimo dos acordos de compra conjunta refere este aspeto e, portanto, aquilo que lá se refere é claro sobre esta matéria", acrescentou, em resposta a uma pergunta sobre eventuais compras paralelas por alguns Estados-membros.

Para a ministra, que neste primeiro semestre de 2021 preside aos Conselhos de ministros da Saúde dos 27, no âmbito da presidência portuguesa do Conselho da UE, estes são apenas os primeiros passos de um processo de vacinação que "vai ser longo", apelando, por isso, à "necessidade, uma vez, mais de manutenção das medidas não farmacológicas".

Os 27 mandataram em junho a Comissão Europeia para negociar em seu nome a compra de vacinas contra a covid-19, mas nas últimas semanas surgiram notícias de que a Alemanha assinou contratos para 30 milhões de doses adicionais e que Chipre está a negociar com Israel o fornecimento paralelo de vacinas.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.963.557 mortos resultantes de mais de 91,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.236 pessoas dos 507.108 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório