Meteorologia

  • 26 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

Retomada ofensiva para acabar com último reduto do Daesh na Síria

As Forças Democráticas da Síria (FSD), aliança armada liderada por curdos com o apoio dos Estados Unidos, retomou hoje o ataque ao último reduto do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria e atacou a cidade de Al Baguz.

Retomada ofensiva para acabar com último reduto do Daesh na Síria
Notícias ao Minuto

23:44 - 10/03/19 por Lusa

Mundo Estado Islâmico

O porta-voz do FSD, Mustafa Bali, disse à agência Efe que as forças curdas começaram a atacar com artilharia as posições dos extremistas, com o apoio dos aviões da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, que também bombardeou os radicais.

Bali acrescentou que agora existem "combates violentos em três frentes à volta da zona que ainda está sob o controlo do EI, incluindo o bairro do xeque Hamad e o acampamento" onde estão refugiados os combatentes e as suas famílias.

Um homem ferido que foi retirado hoje ao meio-dia daquele acampamento disse à Efe que ali estavam cerca de cinco mil pessoas, incluindo crianças e mulheres.

As FSD deram hoje por concluído o prazo para que civis e combatentes deixem Al Baguz e se entreguem à aliança armada antes do ataque final.

A operação militar começou às 18:00 hora local (16:00 em Lisboa), anunciou Bali através da rede social Twitter.

Pouco antes, o porta-voz tinha dito à Efe que "não há prazos para acabar com a missão" das FSD, que estão determinadas a acabar com a presença do EI a leste do rio Eufrates.

Não é a primeira vez que a aliança armada anuncia o ataque "final" contra a última fortaleza do EI, mas a presença de um grande número de civis retardou as operações militares e forçou a suspendê-las por várias vezes.

Em 09 de fevereiro, as FSD iniciaram a sua "batalha final" para expulsar os extremistas do seu último enclave, mas, após um primeiro avanço, as minas plantadas na área e o EI contra-atacaram, assim como a presença de civis, impedindo a ofensiva.

O próprio Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse em 15 de fevereiro que nas 24 horas seguintes faria um "grande anúncio" sobre a Síria quanto ao "sucesso" na "erradicação" do califado físico do EI, anúncio que até agora não aconteceu.

As FDS, que contam com o apoio da coligação internacional apoiada pelos Estados Unidos, têm sido cautelosas quanto a estabelecerem prazos para declarar a sua vitória, apesar de o EI controlar apenas menos de um quilómetro quadrado em Al Baguz.

As milícias curdas têm assegurado que não iriam invadir Al Baguz e não atacariam os civis que permanecessem lá dentro, embora não tivessem previsto que havia tantas pessoas na pequena área ainda controlada pelos jihadistas, cujo número também é desconhecido.

Dezenas de milhares de pessoas deixaram, entretanto, aquela área, especialmente crianças e mulheres, nas últimas duas semanas, o que também surpreendeu as organizações humanitárias que estão a prestar assistência aos deslocados que são levados para o campo de refugiados de Al Hol, a 300 quilómetros a norte de Al Baguz.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório