Meteorologia

  • 21 JULHO 2018
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 19º

Edição

Mais cinco mortos em novos protestos contra o Governo na Nicarágua

Pelo menos cinco pessoas morreram na sequência de novos confrontos na Nicarágua, na quinta-feira, dia em que milhares de manifestantes voltaram a exigir a demissão do Presidente Daniel Ortega.

Mais cinco mortos em novos protestos contra o Governo na Nicarágua
Notícias ao Minuto

08:11 - 13/07/18 por Lusa

Mundo Manifestação

"Cinco pessoas morreram em confrontos, em Morrito [sudoeste], incluindo quatro polícias e um manifestante", indicou a presidente do Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (CENIDH), Vilma Nuñez, citada pela agência noticiosa France-Presse (AFP).

De acordo com informações preliminares, os confrontos ocorreram quando os manifestantes marchavam perto de uma esquadra da polícia.

"Justiça!", "Nem um passo atrás!", "O povo unido jamais será vencido!", gritavam os manifestantes ao longo da rota, a sudeste da capital, Manágua.

Carolina Aguilar, de 52 anos, marchou porque "está cansada deste Governo que mata com impunidade", confessou à AFP.

"Queremos que este Governo se vá embora, queremos liberdade e democracia, já passaram 11 anos, as pessoas estão cansadas", disse à mesma agência um homem de 40 anos, de rosto sombrio, que pediu o anonimato com "medo de ser denunciado por apoiantes do poder".

"Estou aqui porque sou mãe. Dói-me pensar nos jovens que morreram na luta contra este homem sem piedade. Exijo a sua renúncia", disse Rosa Martinez, de 59 anos.

Para a oposição, esta marcha foi o ponto de partida para uma série de ações com vista a pressionar Daniel Ortega, incluindo uma greve geral, marcada para hoje.

Em resposta, o Governo está a preparar uma marcha, no mesmo dia, em memória da revolução sandinista de 1979. Deve realizar-se em Masaya, a cidade mais rebelde do país, a cerca de 30 quilómetros de Manágua.

Desde 18 de abril, os manifestantes anti-Governo exigem a saída de Daniel Ortega, no poder há 11 anos, acusado de estabelecer uma ditadura na Nicarágua juntamente com a mulher, Rosario Murillo, vice-presidente.

"A situação na Nicarágua é crítica", afirmou na quarta-feira a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), numa reunião com o Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington, denunciando a repressão que já causou mais de 200 mortos em quase três meses de protestos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.