Meteorologia

  • 25 MAIO 2018
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 20º

Edição

António Mexia e Carlos Silva mantém-se na administração do BCP até maio

O presidente do BCP, Nuno Amado, disse hoje que os dois administradores não executivos do banco envolvidos em casos judiciais, António Mexia e Carlos Silva, vão manter-se no Conselho de Administração até à assembleia-geral.

António Mexia e Carlos Silva mantém-se na administração do BCP até maio
Notícias ao Minuto

19:11 - 14/02/18 por Lusa

Economia Nuno Amado

Nuno Amado foi hoje questionado pelos jornalistas, na conferência de imprensa de apresentação dos resultados do banco referentes a 2017, sobre a manutenção de Carlos Silva e António Mexia como administradores não executivos, quando estes estão envolvidos em casos judiciais.

Em resposta aos jornalistas, Nuno Amado disse que este tema foi avaliado em Conselho de Administração e que "considerou-se que não havia nenhuma razão para que dois administradores com um papel tão relevante no banco não pudessem continuar a dar o seu contributo para o banco ultrapassar dificuldades".

O gestor afirmou, assim, que até à próxima assembleia-geral de eleição dos órgãos sociais do BCP o Conselho de Administração manter-se-á inalterado, manifestando concordância com essa posição.

"O Conselho de Administração considerou que não faria sentido fazer alteração. E bem, porque o banco está no caminho e no percurso que é importante para acionistas, clientes e colaboradores", afirmou.

O BCP tem marcada para 15 de maio a assembleia-geral de eleição dos novos órgãos sociais, incluindo o novo Conselho de Administração. O mandato da atual administração terminou no final de 2017.

O jornal Público noticiou, a semana passada, que Mexia pode estar de saída da administração do banco, não figurando no próximo Conselho de Administração (onde representa o acionista EDP), quer devido aos problemas com a justiça devido às rendas da energia quer por excessos de mandatos exercidos no banco.

Quanto a Carlos Silva, vice-presidente do Conselho de Administração do BCP, vários órgãos de comunicação social noticiaram que as ligações do banqueiro à alegada corrupção ao procurador Orlando Figueira pelo ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente (operação Fizz) deverão levar ao seu afastamento.

Carlos Silva é um dos fundadores da sociedade Interoceânico (que tem uma participação abaixo de 2% no BCP) e presidente do Banco Atlântico. Tem ainda ligações à petrolífera Sonangol, atual segunda maior acionista do BCP, com cerca de 15%.

O maior acionista do BCP é o grupo Chinês Fosun com pouco mais de 25% de participação.

A imprensa tem referido que Nuno Amado vai continuar como presidente executivo do BCP no próximo Conselho de Administração.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.