Meteorologia

  • 17 DEZEMBRO 2017
Tempo
MIN 8º MÁX 9º

Edição

"Problema das empresas não está nos salários", destaca CGTP

Arménio Carlos destaca que os principais gastos das empresas não são com os salários e que é possível aumentá-los. EDP foi alvo das críticas do líder da CGTP sindical.

"Problema das empresas não está nos salários", destaca CGTP
Notícias ao Minuto

19:22 - 24/11/17 por Notícias Ao Minuto

Economia Concertação Social

A atualização do salário mínimo esteve no centro da discussão na reunião da Concertação Social, no final, Arménio Carlos deixou claro que o “problema das empresas não está nos salários”.

“Em termos médios, de acordo com o Banco de Portugal, os encargos com os salários e com as contribuições para as empresas não ultrapassa os 14% dos seus custos totais. Então para onde vai o resto? Os outros 86%? Podíamos começar aqui a desfiar o novelo. Para a energia, para as telecomunicações e assim sucessivamente. Então porque é não se toca nisso? Porque é que não se reduz o preço da energia para as empresas e para as famílias, que continuam a ter uma fatura elevada?”, questionou Arménio Carlos, que de seguida estabeleceu um alvo concreto.

“Porque razão é que a EDP continua a ter lucros de mil milhões de euros líquidos por ano à custa e à conta dos consumidores? Porque razão é que estão a fazer investimentos nas indústrias mais modernas e mais amigas do ambiente e não são eles que fazem o investimento, somos nós na fatura da eletricidade que pagamos todos os meses. Não temos nada contra a EDP, mas já agora no período de crise baixaram os salários dos trabalhadores e a EDP viu aumentados os seus lucros”, disse o líder da CGTP.

Mas para isso, Arménio Carlos diz que é preciso ter “coragem e frontalidade e sobretudo determinação política”.

Questionado pelo fundo de compensação salarial, Arménio Carlos diz que “não se pode discutir o fundo de compensação salarial sem ter em conta as razões que tiveram origem na sua criação”.

“Facilitar os despedimentos e a redução das indemnizações. Qualquer discussão sobre os fundos implica discutir os despedimentos e as indemnizações. E já agora revisitar a lei, fazer uma avaliação do que foi feito e a conclusão só poder ser uma é que se tem de revogar os despedimentos e as indemnizações e voltar à lei anterior”, realçou o secretário-geral da CGTP.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório