Meteorologia

  • 09 DEZEMBRO 2019
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 17º

Edição

Mercado liberalizado elétrico com mais 136 mil clientes entre 2017 e 2018

O mercado liberalizado (ML) elétrico totalizou 5.100.303 clientes em 2018, valor que compara com os 4.964.434 registados no ano anterior, com destaque para os consumos domésticos e industriais, segundo um relatório da ERSE hoje divulgado.

Mercado liberalizado elétrico com mais 136 mil clientes entre 2017 e 2018
Notícias ao Minuto

17:57 - 12/11/19 por Lusa

Economia ERSE

Em 2018, registaram-se 5.100.303 clientes no mercado liberalizado e 1.125.340 no mercado regulado (MR), enquanto no ano anterior os clientes do ML fixavam-se em 4.964.434 e os do ML em 1.222.546, conforme revelou o relatório sobre os mercados retalhistas de eletricidade e gás natural em 2018.

Segundo este documento da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), "o aumento gradual da dimensão do ML, no período analisado, deve-se essencialmente à continuação da entrada de clientes domésticos, cujo número aumentou, em 2018, cerca de 3% face ao ano anterior".

Adicionalmente, também se registaram subidas nos demais perfis de clientes, entre 2017 e 2018, tendo o número de grandes consumidores e clientes industriais no ML crescido ambos cerca de 2%, enquanto para os pequenos negócios o aumento foi de 3%.

Por segmento, os que se referem a consumidores domésticos e industriais são os que mais pesam no consumo total do ML, cada com cerca de 35% da quota.

"A atual situação é completamente distinta da verificada em 2013, o último ano no qual os dois segmentos com maior peso no ML eram os segmentos industriais (41%) e dos grandes consumidores (27%)", apontou o regulador energético.

No final de 2018, com exceção do segmento doméstico, a quase totalidade dos consumos foi assegurada por comercializadores em mercado, sendo que, no caso dos grandes consumidores, têm sido registadas percentagens iguais ou superiores a 99% desde, pelo menos, 2014 e no segmento dos industriais desde 2015.

Assim, "é natural" que o ritmo de crescimento do ML em 2018 seja inferior ao verificado em anos anteriores, sublinhou a ERSE.

No segmento dos pequenos negócios, a percentagem de consumo abastecida por comercializadores de mercado passou de cerca de 91% em 2014 para 97% em 2018, enquanto o segmento doméstico é o que regista o crescimento mais acentuado na percentagem de consumo do ML, tendo passado de 62% para 85% em quatro anos.

O documento revelou ainda que, em termos de quotas de mercado, a EDP Comercial continua a ser comercializadora líder em clientes, com quotas de 81% e 55% na eletricidade e no gás natural, respetivamente.

Já no que se refere ao consumo abastecido, a liderança é repartida entre a EDP Comercial, com 42% na eletricidade, e a Galp Power, com 56% no gás natural.

No período em causa, o número de clientes que ingressou nos comercializadores de último recurso (CUR) no setor da eletricidade foi de 13.558, "o que pressupõe um aumento face ao ano anterior", embora este número ainda se mantenha reduzido, "quando comparado com o nível global de mudanças".

Por seu turno, no setor do gás natural, o número de clientes a regressar ao CUR manteve-se em "níveis residuais e em linha com os registados em anos anteriores".

Ao nível das ofertas comerciais em mercados, verificavam-se, no final de 2018, 1.274 nos mercados de eletricidade e de gás natural, 410 das quais correspondentes a ofertas duais.

"A Galp Power, ao registar 1.037 ofertas comerciais, destaca-se como o comercializador com maior número de ofertas. O número médio de ofertas por comercializador foi de 51, no entanto, excluindo a Galp Power, o número médio de ofertas por comercializador reduz-se para 10", apontou a ERSE.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório