Meteorologia

  • 16 JUNHO 2024
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 24º

Pensões da CGA não vão ter acerto na retenção do IRS, diz ministério

As reformas de janeiro pagas pela Caixa Geral de Aposentações (CGA) também foram processadas com base numa tabela de retenção provisória, mas não será feito nenhum acerto por estarem em causa valores residuais.

Pensões da CGA não vão ter acerto na retenção do IRS, diz ministério
Notícias ao Minuto

21:15 - 29/04/24 por Lusa

Economia Trabalho

"As reformas da CGA relativas ao mês de janeiro de 2024 foram processadas com base numa tabela de retenção na fonte do IRS provisória", disse, em resposta à Lusa, fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Mas neste caso, e ao contrário do que foi hoje esclarecido pelo Instituto da Segurança Social (ISS) em relação às pensões Segurança Social, "não vai ser feito o acerto", disse a mesma fonte oficial, adiantando que esta decisão foi tomada pela Direção da CGA "por estarem em causa valores residuais".

Em comunicado, o ISS esclareceu hoje que foram feitos acertos na retenção do IRS das pensões de abril e maio para corrigir a retenção efetuada em janeiro com base numa tabela "provisória" a 328 mil pensionistas.

O comunicado surgiu após o Jornal de Negócios, na sua edição de hoje, ter noticiado que há pensionistas que foram confrontados com uma redução do valor líquido da pensão paga em maio, sem que o recibo da mesma adiantasse uma explicação para esse facto -- já que o valor bruto da pensão se manteve, assim como a taxa de retenção do imposto, mas não o montante do desconto.

Esta questão da tabela provisória de retenção e dos posteriores acertos apanhou de surpresa o novo Governo, com o gabinete da atual ministra do Trabalho, Maria do Rosário Ramalho, a revelar "estupefação" e a sublinhar que o assunto não foi transmitido pelo anterior executivo.

"A decisão do anterior Governo não foi, em qualquer momento, referida durante a reunião de transição com a atual ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, nem foi sinalizada a qualquer nível ao atual Governo antes de ser concretizada", refere o comunicado do Ministério do Trabalho.

Além disso, acrescenta, Maria do Rosário Ramalho e o seu secretário de Estado da Segurança Social receberam a presidente do Instituto da Segurança Social em 22 de abril e "esta nada referiu quanto à questão".

O gabinete de Maria do Rosário Ramalho refere ainda que esta medida do acerto das pensões "processada em meados de março (depois das eleições) e concretizada a 11 e 12 de abril, resulta exclusivamente de orientação política do Governo do Partido Socialista, e da qual o atual Governo não teve conhecimento prévio".

"Em janeiro de 2024 decidiu-se dar uma ideia artificial de aumento aos pensionistas com menos retenção de IRS para vir depois fazer-se este acerto, após as eleições, no período de transição", nota o mesmo comunicado do Governo.

Naquele conjunto de 328 mil pensionistas da Segurança Social está incluída a devolução de IRS retido em excesso a 184 mil pensionistas (o que foi feito com a pensão de abril) e o acerto do valor retido a menos a 143.800 pensionistas -- efetuado com as pensões de maio e que resultou num valor líquido inferior para estas pessoas.

Leia Também: IRS. Fisco não cobra valor inferior a 25€ e não reembolsa menos de 10€

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório