Meteorologia

  • 26 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

"Fala de reforma do Estado quem nunca reformou coisa nenhuma"

O presidente do Banco BPI, Fernando Ulrich, criticou hoje o processo de reforma do Estado lançado pelo Governo, considerando que este esforço exige um período temporal muito extenso, que não acredita que seja realizável pelo atual Executivo.

"Fala de reforma do Estado quem nunca reformou coisa nenhuma"
Notícias ao Minuto

14:31 - 14/11/13 por Lusa

Economia Fernando Ulrich

"Só fala de reforma do Estado quem nunca reformou coisa nenhuma. No banco, as reformas demoram anos a fazer e há uma equipa que está junta há 30 anos", realçou o banqueiro na sua intervenção no Congresso das Comunicações, organizado pela Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC).

"Um governo que aterrou em junho de 2011, mais a 'troika' [Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional], como é que faria a reforma do Estado?", questionou Ulrich.

E reforçou: "Não acredito nisso. Quando os ouço a dizer isso, digo coitado. Nunca fez nenhuma reforma, nunca teve a mão na massa, porque senão sabia que isso ia durar anos".

Refira-se que o guião da reforma do Estado foi recentemente apresentado pelo vice-primeiro-ministro, Paulo Portas.

"Não andemos sempre a dar tiros nos pés, até porque estamos mais dependentes do exterior do que nunca", sublinhou o gestor.

Segundo Ulrich, o ponto mais positivo do Orçamento do Estado para 2014 é a previsão de Portugal ter um saldo primário positivo.

"É muito importante. Se formos capazes de manter isto durante muitos anos, vamos ter o apoio dos mercados e dos credores internacionais", assinalou.

Olhando para o percurso feito por Portugal nos últimos anos, ao nível do ajustamento económico, Ulrich considerou que o país "tem feito um esforço absolutamente notável, extremamente difícil, quer no setor privado, quer no setor público".

"Nunca me esqueço que, no banco, temos uma equipa é um exército disciplinado e estamos juntos há 30 anos. Todos sabemos que não é assim no setor público. Seja no governo ou nas empresas públicas", frisou.

Daí, na sua opinião, "é muito mais difícil estar à frente de um ministério do que à frente do BPI", devido à "capacidade de atuar sobre as coisas depende das equipas e das pessoas".

E deixou um elogiou aos gestores que aceitam integrar os Governo: "Admiro quem aceita esse desafio de ir para a esfera pública".

De acordo com Ulrich, "neste quadro" que marca o país, "fazer o que já se fez é notável".

"O ajustamento não foi só feito a partir da contração da procura interna. Não se podia a continuar indefinidamente a comprar casas e a construir estradas. Nada disto se vai voltar a repetir. Não é preciso, nem é financiável", concluiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório