Meteorologia

  • 14 JULHO 2020
Tempo
30º
MIN 20º MÁX 32º

Edição

Pequim exorta EUA a acabarem com "repressão irracional" sobre Huawei

Pequim instou os Estados Unidos a acabarem com a "repressão irracional sobre a Huawei e empresas chinesas" depois de Washington anunciar novos controlos à exportação para restringir o acesso da gigante chinesa à tecnologia de semicondutores.

Pequim exorta EUA a acabarem com "repressão irracional" sobre Huawei
Notícias ao Minuto

07:47 - 16/05/20 por Lusa

Tech Huawei

"O Governo chinês defenderá firmemente os direitos e interesses legítimos e legais das empresas chinesas", afirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros em comunicado, acrescentando que as iniciativas norte-americanas "estão as destruir as cadeias globais de manufatura, de aprovisionamento e de valor".

Os Estados Unidos acusam a maior fabricante mundial de equipamentos para firmas de telecomunicações de cooperar com os serviços secretos chineses.

A Casa Branca colocou o grupo chinês numa lista de entidades do Departamento de Comércio, o que implica que as empresas norte-americanas tenham de solicitar licença para vender tecnologia à empresa.

A Huawei nega a acusação e as autoridades chinesas dizem que o Governo de Donald Trump está a usar leis de segurança nacional para restringir um rival que ameaça o domínio exercido pelas empresas de tecnologia dos EUA.

As sanções aprovadas pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, em maio, caso sejam integralmente aplicadas, cortarão o acesso da Huawei à maioria dos componentes e tecnologia dos EUA.

A Huawei também é, juntamente com a sueca Ericsson e a finlandesa Nokia, líder em redes de quinta geração (5G), destinada a conectar carros autónomos, fábricas automatizadas, equipamento médico e centrais elétricas.

Os Estados Unidos têm pressionado vários países, incluindo Portugal, a excluírem a Huawei da construção de infraestruturas para redes de 5G.

Austrália, Nova Zelândia e Japão aderiram já aos apelos de Washington e restringiram a participação da Huawei.

A Huawei, que diz que a empresa pertence a 104.572 de um total de 194.000 funcionários da empresa, todos cidadãos chineses, nega estar sob controlo do Partido Comunista Chinês, ou cooperar com os serviços de inteligência chineses.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório