Meteorologia

  • 17 FEVEREIRO 2018
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 10º

Edição

David Justino diz que partido tem de estar preparado para "segurar líder"

O coordenador da moção de estratégia que o presidente eleito do PSD, Rui Rio, vai levar ao congresso de fevereiro defende que o partido "tem de estar preparado" para segurar o líder, mesmo se perder as legislativas.

David Justino diz que partido tem de estar preparado para "segurar líder"
Notícias ao Minuto

16:08 - 19/01/18 por Lusa

Política PSD

Entrevistado na rádio Antena1 pela jornalista Maria Flor Pedroso, David Justino rejeitou o "determinismo político" que dita o afastamento dos líderes partidários derrotados em eleições legislativas e sublinhou que a moção de estratégia que Rio vai levar ao congresso de 16, 17 e 18 de fevereiro "está apontada para a próxima década".

"Não podemos estar condenados a uma espécie de determinismo político de dizer que quem perde tem que se ir embora. Não necessariamente! Porquê? Se a estratégia está bem construída, se o desempenho foi bom, porquê? Os adversários também não têm mérito?", questionou o antigo ministro da Educação do executivo de Durão Barroso e ex-conselheiro do Presidente da República Cavaco Silva.

Antes, David Justino foi diretamente interrogado por Maria Flor Pedroso se o PSD deveria estar preparado para "segurar um líder que perde", ao que respondeu: "Porque não?".

"O PSD tem de estar sempre preparado para a inovação política e para as maneiras de pensar que rompem... Eu sei que a história tem um peso, e como eu tenho essa dimensão de historiador, mas não é nenhum determinismo. E, portanto, se é necessário lutar contra aquilo que foi a história, luta-se contra isso", frisou.

Quanto ao documento estratégico que o líder eleito no passado sábado vai levar à reunião magna de fevereiro, o ex-ministro realçou que "não é só para dois anos, é para muito mais".

"A moção que eu tive a responsabilidade de coordenar não aponta exclusivamente para dois anos. Aquela moção está apontada para a próxima década", acentuou, embora recordando que, formalmente, o presidente do partido é eleito para um mandato de dois anos.

"Não vale a pensa estarmos a definir e a construir uma moção de estratégia para dois anos, se não tivermos em conta aquilo que queremos para Portugal nos próximos 15 ou 20 anos", sustentou.

David Justino considerou, porém, que o termo 'estratégia' "está muito banalizado e depois é adulterado", lembrando que "a estratégia pressupõe uma meta e a meta não é do doutor Rui Rio ou do PSD, é uma meta para Portugal".

O antigo conselheiro de Cavaco Silva em Belém rejeitou o afastamento militantes incómodos, recordando que sempre que isso foi tentado, "o PSD destruiu-se a si próprio".

"Isto não vai lá com vassouradas", argumentou, defendendo que "é necessário unir", mas advertindo, ao mesmo tempo, que "unir para deixar tudo na mesma, não vale a pena". "E unir para quem não quer ser unido, também não vale a pena", alertou se seguida.

Segundo David Justino, "a prática tem revelado que qualquer novo líder precisa de unir o partido para se apresentar para defender todos e não consumir-se em conflitos internos".

Na entrevista, o antigo ministro rejeitou argumentos como o da ex-líder Manuela Ferreira Leite de que o PSD deve 'vender a alma ao diabo', se for para retirar a extrema-esquerda do eixo da governação, e rejeitou apoiar o projeto de descentralização que o executivo levou ao parlamento.

Entretanto o PSD anunciou hoje que já foi nomeada a comissão organizadora do 37.º Congresso Nacional, que é constituída por José Matos Rosa e Feliciano Barreiras Duarte.

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.