Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 7º MÁX 15º

Edição

Fim da Calamidade? Deputada do PS espera que "lei seca" desapareça

Isabel Moreira considera algumas restrições impostas na Área Metropolitana de Lisboa (AML) "manifestamente paternalistas e excessivas".

Fim da Calamidade? Deputada do PS espera que "lei seca" desapareça

Depois de uma reavalição da situação epidemiológica nos cinco concelhos mais afetados pela Covid-19 na Grande Lisboa, o ministro da Administração Interna admitiu esta segunda-feira que as 19 freguesias em situação de calamidade deverão passar a estar em contingência, tal como a restante Área Metropolitana de Lisboa.

"Boas notícias", comentou a deputada Isabel Moreira no Facebook

"Espero que algumas restrições que me parecem manifestamente paternalistas e excessivas desapareçam", acrescentou, dando como exemplo a proibição de venda de álcool a adultos depois das 20 horas. "Esta lei seca não faz sentido", criticou. 

Nas declarações feitas aos jornalistas no final da reunião com os autarcas, o ministro Eduardo Cabrita adiantou que as restrições aplicadas na AML, nomeadamente nos horários de funcionamento dos estabelecimentos, irão manter-se.

"Não há hoje razões para distinguir estes cinco municípios [Lisboa, Odivelas, Sintra, Amadora e Loures] da restante Área Metropolitana de Lisboa. Isto significa que as medidas devem ser aplicadas de uma forma transversal, intensiva, em toda a Área Metropolitana", afirmou. 

Sublinhando que não se pode "baixar a guarda" relativamente à "vigilância muito intensa" que tem vindo a ser feita, o ministro da Administração Interna remeteu para o Conselho de Ministros de quinta-feira uma decisão final sobre a possibilidade de as 19 freguesias atualmente em situação de calamidade (localizadas nestes cinco concelhos) passarem para a situação de contingência (nível mais reduzido).

"Admitimos que sejam todos eles colocados na situação de contingência, situação que hoje se aplica à Área Metropolitana de Lisboa", salientou.

O ministro da Administração Interna adiantou também que, de qualquer forma, irão manter-se as restrições que neste momento são aplicadas na Área Metropolitana de Lisboa, como o encerramento generalizado dos estabelecimentos comerciais às 20h00 - à exceção dos supermercados, que podem funcionar até às 22h00, e espaços como farmácias -, e a manutenção da proibição do consumo de bebidas alcoólicas na via pública.

"Neste mês que ai vem, em que muitos irão gozar férias em agosto, teremos de ter um agosto em segurança, um agosto com saúde, que nos permita ganhar ânimo para o regresso das atividades, quer as atividades profissionais, quer das atividade educativas no mês de setembro", disse, assegurando que se está a trabalhar ativamente "pela consolidação dos bons resultados".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório