Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Ventura apoia Movimento Zero. "Tempo dos sindicatos tradicionais passou"

André Ventura, deputado único do Chega, apoia o Movimento Zero na manifestação de hoje em Lisboa. "Se não estivesse ao lado deles, não seria o político que sou, não me sentiria bem", diz.

Ventura apoia Movimento Zero. "Tempo dos sindicatos tradicionais passou"

André Ventura, líder do Chega, que se irá juntar à manifestação, demonstra apoio a todos os elementos das forças de segurança que integram a manifestação desta quinta-feira, em Lisboa, incluindo os que pertencem ao Movimento Zero. 

“[As forças de segurança] merecem pela primeira vez, em tantos anos de regime, que haja uma atenção especial em relação ao seu trabalho, em relação às suas preocupações e em relação àquilo que todos os dias sofrem no terreno”, disse o deputado do Chega no Parlamento que se apresenta com um t-shirt do Movimento Zero.

Ventura aproveitou a declaração aos jornalistas para reforçar o facto de existirem polícias a comprar material “do seu bolso”.

“Depois de termos denunciado que o primeiro-ministro tinha mentido aos portugueses, e mostrámos as faturas, hoje a líder da bancada parlamentar do PS disse que não ia responder a demagogias. Pois nós temos centenas de elementos que demonstram que há polícias a pagar material do seu bolso. E o senhor primeiro, cedo ou tarde, terá que responder (…)”, afirmou.

Questionado sobre se não é estranho estar a usar a camisola referente ao Movimento Zero, o líder do Chega discordou, defendendo ter “ uma responsabilidade que outros não têm, que é de representar os portugueses, milhares, se não milhões, que estão insatisfeitos no país”.

“E uns deles envergam hoje esta t-shirt. Se não estivesse ao lado deles, não seria o político que sou e não me sentiria bem”, continuou, frisando não estar na Assembleia da República “para fazer amigo nem para arranjar trabalho”.

“O Movimento Zero não foi criado por nós, mas coloca-mo-nos dele quando entendemos que as reivindicações são justas”, esclareceu.

André Ventura defendeu ainda que “o tempo dos sindicatos tradicionais passou e que o tempo da espontaneidade está a chegar”. “Basta ver o que se está a passar por toda a Europa. Acho que é tempo de deixar as pessoas e as dinâmicas funcionar. Há novas formas de atuação que temos de dar resposta. Queremos estar ao lado da sociedade civil, queremos estar ao lado daqueles que sofrem”, notou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório