Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2019
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 22º

Edição

Assessor de Marcelo em lista não é polémica. Mas "publicidade é bom"

Santana Lopes descarta polémicas na escolha do cabeça de lista às europeias.

Assessor de Marcelo em lista não é polémica. Mas "publicidade é bom"

Depois de anos de dúvidas, Santana Lopes assumiu a saída do PSD e criou o Aliança, partido que terá o primeiro teste eleitoral nas próximas eleições europeias.

Paulo Sande foi o escolhido para cabeça de lista na candidatura às europeias do Aliança, isto numa altura em que ainda é assessor do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Na página da Presidência, Marcelo reagiu à candidatura lembrando que os funcionários do Estado não necessitam de autorização para se candidatar a eleições

O chefe de Estado explicou que Paulo Sande terá de suspender o exercício da atividade profissional "no momento em que formalizar mesmo essa candidatura". Até lá continuará em funções, algo que não é inédito em Belém, como lembrou Marcelo.

Santana Lopes foi questionado esta terça-feira à noite sobre o tema, no espaço de comentário que partilha na antena da SIC Notícias com Carlos César.

Para o líder do Aliança, não há grande razão para polémica. No entanto, há - e Santana afirmou-o com  humor - alguma "publicidade" aqui que não é de se rejeitar.

"Com interesse. Tudo o que dê publicidade é bom", afirmou Santana quando questionado sobre a forma como via esta situação de 'partilhar', por enquanto, o seu candidato com a assessoria da Presidência.

De seguida, Santana realçou que Marcelo "saberá" o que pensa sobre o caso mas trata-se de uma situação que já aconteceu antes em Belém, nomeadamente com uma consultora de Cavaco Silva que se candidatou ao Parlamento Europeu e que "saiu [do cargo] cinco dias antes das próprias eleições" - uma referência a Maria do Céu Patrão Neves, que se candidatou em 2009.

"Aqui o Presidente já disse que quando [Paulo Sande] entregar a candidatura sairá, e parece-me correto esse ponto de vista", afirmou.

Santana realçou de seguida que "até começar a campanha" este "é um princípio correto", que no passado se aplicou, por exemplo, com candidatos a autarquias. E que não vê qualquer entrave, nem legal, nem ético.

Sobre este caso, e em declarações ao jornal i, o ex-secretário-geral adjunto do PSD João Montenegro afirmou que "Marcelo está a ser conivente com a estratégia de um partido político e isso é inaceitável no sistema político".

Santana Lopes desvalorizou estas críticas. "Nem vou comentar o que essa pessoa disse, acho que não se justifica", afirmou. "O que interessa é a capacidade e credibilidade dele, que foi comummente reconhecida".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório