Meteorologia

  • 12 DEZEMBRO 2018
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 12º

Edição

Documento de apoio a Rio apresentado 6.ª feira, sem PSD-Lisboa

O PSD apresentará na sexta-feira em Santarém um documento de apoio ao presidente Rui Rio, para o qual foi pedida a assinatura dos líderes das distritais, mas que não contará com a estrutura de Lisboa.

Documento de apoio a Rio apresentado 6.ª feira, sem PSD-Lisboa
Notícias ao Minuto

19:28 - 20/09/18 por Lusa

Política Partido

Fontes contactadas pela Lusa confirmaram que, apesar de vários presidentes de distritais sociais-democratas terem expressado dúvidas quanto à forma e conteúdo do texto, ele será assinado por todos, à exceção do PSD-Lisboa. Fontes desta estrutura justificaram que, até ao final da tarde de hoje, não tinham recebido formalmente qualquer documento.

O texto, que foi noticiado hoje à tarde pelo Público e Observador e a que a Lusa teve acesso, foi enviado na quarta-feira pelo vice-presidente do PSD Salvador Malheiro aos presidentes das distritais como proposta de comunicado, e começa por apelar à serenidade e sentido de responsabilidade dos militantes, defendendo que todos têm de contribuir para que a "unicidade da mensagem" não seja deteriorada perante a opinião pública.

Recordando que o PSD elegeu os seus novos órgãos há pouco mais de seis meses, na proposta de comunicado defende-se a estabilidade e o "respeito que todos devem guardar aos militantes" que elegeram Rui Rio como presidente em janeiro deste ano.

No texto, diz-se não ser aceitável nem compreensível "o ambiente de permanente instabilidade" para com a direção nacional e o seu presidente e o que se classifica de "constantes tentativas de deturpação das suas mensagens políticas" por parte de militantes do partido, considerando que tal prejudica os objetivos eleitorais do PSD e beneficia os seus adversários políticos.

"Quem age desta forma não quer que o PSD vença as eleições legislativas, na medida em que tudo está a fazer para prejudicar esse objetivo", refere-se.

No texto, diz-se defender a diversidade de opiniões e a liberdade de expressão, mas condenam-se climas de "guerrilha permanente" e "agendas pessoais" que ponham em causa o interesse do PSD.

No último dos pontos da proposta de comunicado a que a Lusa teve acesso, defende-se que Rui Rio "deve continuar a pautar a sua atuação por mensagens claras e corajosas, por uma intervenção política séria e credível, que privilegie sempre Portugal", para o qual contará com a "solidariedade e empenhamento" das distritais.

Viseu irá assinar o documento em nome da "solidariedade para com a direção nacional e as restantes distritais", tal como Setúbal, apesar de o presidente desta distrital, Bruno Vitorino, ter afirmado à Lusa que o texto "não era necessário" -- até porque nenhuma estrutura contestou o líder -- e que seria preferível o partido falar "sobre os problemas concretos das pessoas".

Fontes da distrital de Santarém -- presidida desde maio por João Moura - confirmaram à Lusa que foi pedido pela direção que tivesse lugar neste distrito a apresentação de um documento de apoio ao líder, com a qual concordaram.

A Lusa contactou o vice-presidente do PSD Salvador Malheiro para se pronunciar sobre esta matéria, até agora sem sucesso.

Este pedido de apoio das distritais à estratégia da direção surge depois de um Conselho Nacional com várias intervenções críticas, entre as quais as do antigo líder parlamentar Hugo Soares, e numa altura em que o ex-candidato do partido à Câmara de Loures, André Ventura, disse estar preparado para recolher "em menos de uma semana" as 2.500 assinaturas necessárias à convocação de um congresso extraordinário.

O próximo Congresso ordinário deverá realizar-se em fevereiro de 2020 e para se reunir extraordinariamente terá de ser convocado a pedido de 2.500 militantes.

Uma vez que o presidente do PSD é eleito diretamente pelos seus militantes, um Congresso extraordinário não tem poderes eletivos, mas poderá ser palco de apresentação de moções de censura ou confiança à Comissão Política Nacional.

"A aprovação de uma moção de censura exige o voto favorável da maioria absoluta dos membros presentes da assembleia competente, desde que o número destes seja superior à maioria absoluta dos membros em funções, e implica a demissão da Comissão Política", referem as normas do PSD.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório