Meteorologia

  • 21 AGOSTO 2018
Tempo
22º
MIN 21º MÁX 23º

Edição

PCP pede firmeza ao Governo contra "apartheid" israelita

Os dirigentes do PCP condenaram hoje a "Lei Básica da Nação-Estado", aprovada quinta-feira pelo parlamento israelita, e pediram firmeza ao Governo português contra "um estado sionista de 'apartheid'", em comunicado.

PCP pede firmeza ao Governo contra "apartheid" israelita
Notícias ao Minuto

11:35 - 21/07/18 por Lusa

Política Israel

"Consagra princípios de um Estado racista e segregacionista, que nega direitos de cidadania aos seus cidadãos árabes palestinianos e que, confirmando discriminações previamente existentes na legislação israelita, representa um gravíssimo salto qualitativo, que institucionaliza os princípios de um Estado sionista de 'apartheid'", caraterizam os comunistas.

O objetivo da legislação "é garantir o caráter de Israel como o Estado nacional dos judeus, para definir na Lei Básica os valores de Israel como um estado democrático judaico, no espírito dos princípios da Declaração de Independência", de acordo com um comunicado publicado na página da Internet do Knesset.

"O PCP considera que é obrigação constitucional do Governo português tomar uma firme posição de condenação das afrontas, ilegalidades e crimes de Israel, nomeadamente através do reconhecimento imediato por Portugal do Estado da Palestina, bem como da iniciativa da condenação de Israel nas instâncias internacionais onde o nosso País esteja presente", lê-se no texto divulgado hoje pelo partido português.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, desaprovou o documento aprovado pelo parlamento israelita, considerando que se trata de uma decisão "muito pouco compreensível" à luz da história do povo judeu.

A lei já foi considerada por muitos como discriminatória para outras culturas e religiões no país, que vivem em Israel desde a sua criação, em 1948, e que representam cerca de 20% da população, como por exemplo os árabes israelitas.

"Esta escalada do Governo de extrema-direita de Israel é indissociável da decisão da administração dos EUA/Trump em reconhecer Jerusalém como capital de Israel e de transferir para essa cidade a sua embaixada", continuam os dirigentes comunistas, lamentando "manobras em curso, por parte dos EUA, Israel e dos seus aliados na região para impor ao povo palestiniano um novo pseudo-'plano de paz', de facto um novo passo em direção à ambição sionista do 'Grande Israel' e uma nova traição ao martirizado povo palestiniano", com a "conivência" da União Europeia.

Entretanto, Israel e o Hamas acordaram hoje um cessar-fogo, após a escalada de violência de sexta-feira, que provocou cinco mortos, anunciou um porta-voz do grupo islamita.

Desde 30 de março, palestinianos protestam regularmente no setor fronteiriço para denunciar o bloqueio imposto em Gaza e exigir o regresso dos refugiados palestinianos expulsos ou que fugiram das suas terras em 1948, no decurso da formação do Estado de Israel, contando-se pelo menos 130 vítimas mortais desde então.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.