Meteorologia

  • 26 JANEIRO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Dezenas de utentes protestam em Lisboa contra fecho das estações dos CTT

Dezenas de utentes das freguesias de Aldeia de Paio Pires (Seixal) e de Camarate e Apelação (Loures) manifestaram-se hoje à porta da sede dos CTT, em Lisboa, contra o fecho das respetivas estações dos correios.

Dezenas de utentes protestam em Lisboa contra fecho das estações dos CTT
Notícias ao Minuto

14:10 - 05/02/18 por Lusa

País Correios

Ao mesmo tempo que, no exterior, as cerca de seis dezenas de utentes empunhavam cartazes com palavras de ordem contra o fecho das estações, os autarcas do Seixal, Loures, Odivelas, Alpiarça e Riba de Ave, reuniam-se lá dentro com o administrador executivo dos CTT, António Pedro Silva, responsável pela parte operacional das lojas.

Gritando "Reversão da privatização", "Só a reversão é a solução" ou "Privatização é roubo à população", os cerca de 60 utentes esperaram mais de uma hora que os seus representantes autárquicos trouxessem boas novas da reunião.

À saída, o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, adiantou aos jornalistas não ter sido dada "justificação racional" para o fecho das estações, considerando que se tratam "de critérios puramente economicistas".

"Há uma total insensibilidade para com as populações e para com as empresas", acusou o autarca, referindo que a administração dos CTT "está completamente alheia às necessidades e longe do interesse público", além de estar a querer "passar os custos para outras entidades".

Já o presidente da Câmara do Seixal, Joaquim Santos, frisou que se assiste a um problema de reestruturação da empresa que passa por encerrar estações dos CTT, passando para privados e freguesias, pelo que admitiu sair da reunião com "uma enorme insatisfação" por tudo o que está a acontecer.

"Os correios estão cada vez mais caros, demoram cada vez mais tempo e fecham estações. O serviço público não está a ser bem prestado, logo o Governo tem uma palavra a dizer", sublinhou.

Em declarações à Lusa, o presidente das coletividades do concelho do Seixal, mais propriamente da Aldeia de Paio Pires, considerou "injustificado este ato criminoso" de fechar a estação dos CTT.

Segundo Hélder Rosa, "grande parte" dos cerca de 15 mil habitantes daquela freguesia, já tem uma "idade um pouco avançada" e "dificuldades em se deslocar", pelo que considera não haver "justificação [para o fecho], pois trata-se de uma estação onde a população se desloca abundantemente, assistindo-se a 15/20 minutos do tempo de espera".

Também Manuel Amaral está contra o fecho da estação de Paio Pires, acrescentando que é "prejudicial à população" que até ela se desloca para "receber as suas pensões e fazer os pagamentos de eletricidade e água".

"Já se previa que a privatização ia dar este resultado. Só interessa ao capital, a [administração dos CTT] é que está a usufruir dos lucros. Estes estão a ser mal repartidos, só pela administração e não pela população", acusou.

Pela sua parte, Delfina Vitorino, que utiliza a estação dos CTT de Camarate, uma das 22 previstas para fechar, lembra que a mesma atende "uma média de 200 pessoas por dia", servindo uma "população idosa que tem de passar a ir à estação mais próxima de Sacavém e não terá mobilidade para se deslocar a pé".

"Muitas delas nem dinheiro tem para comprar o bilhete de cinco euros de camioneta", afirmou, acrescentando que "não se justifica fechar uma estação quando se está a dar lucro. É uma sacanice o que estão a fazer à população pelo que vamos usar todas as nossas forças para que estação de Camarate não encerre".

Os CTT informaram hoje que vão disponibilizar 19 novos postos, "limitando assim a três a redução" anteriormente anunciada, de 22 lojas.

Em comunicado, os CTT garantem que continuam a "assegurar proximidade às populações, com 2.366 pontos de acesso" e que, no âmbito do plano de "transformação e modernização" da rede, há "já aberto ou assegurado a abertura de 13 novos estabelecimentos postais - postos de correios - nas envolventes das 22 lojas cujo encerramento foi anunciado, encontrando-se ainda em negociação seis adicionais".

Em dezembro passado, os CTT divulgaram um Plano de Transformação Operacional, que previa a redução de cerca de 800 trabalhadores na área das operações ao longo de três anos, em consequência do tráfego do correio, de um total de 6.700, dos quais 6.200 efetivos e perto de 500 contratados a termo.

No final de setembro do ano passado, o grupo CTT contava com 12.843 trabalhadores, enquanto no final de dezembro de 2013 - altura em que a empresa foi privatizada, entrando em bolsa - contabilizava 12.383, ou seja, mais 3,7% (mais 460 trabalhadores em quatro anos).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório