Meteorologia

  • 21 SETEMBRO 2017
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 17º

Edição

Assalto a Tancos encenado? "Vontade de destruir Governo é muito forte"

Vasco Lourenço está convencido de que o caso Tancos pode "ter mãozinha" de organizações, inclusive internacionais, que querem destruir a solução governativa de Portugal.

Assalto a Tancos encenado? "Vontade de destruir Governo é muito forte"
Notícias ao Minuto

08:40 - 16/07/17 por Melissa Lopes

País Vasco Lourenço

O material de guerra roubado da base de Tancos tem aquecido, e de que maneira, o debate político logo no início do período de férias do primeiro-ministro. O assalto - cujo Chefe do Estado Maior do Exército, o general Rovisco Duarte, terá já admitido a responsabilidade, levou à exoneração de cinco comandantes responsáveis. Sobre o caso, muito já foi dito e criticado, com o Exército a ficar mal na fotografia.

Porém, aquilo que até agora tem sido sempre considerado um assalto, pode afinal não o ser. É pelo menos essa a convicção do coronel Vasco Lourenço, para quem o suposto assalto a Tancos pode ter sido encenado e fazer parte de um plano político orquestrado para derrubar o Governo. 

Por que razão considera que o assalto Tancos foi encenado?

Tudo aquilo que se conhece aponta para não tenha havido um assalto... não houve confronto, não houve violência. Não é credível que aquilo se tenha passado, por exemplo, como o Expresso contou em que só faltou pôr o vídeo da filmagem do assalto.

Aquela reconstituição, só para um indivíduo que não conheça nada... Das duas uma, ou o jornalista que fez aquele artigo tem ligação direta com os assaltantes e soube como as coisas se fizeram e contaram-lhe, ou então é invenção pura. De facto podemos estar perante uma simulação de assalto. Não há condições para que aquilo se tenha passado assim. Houve um furto do material ao longo dos tempos. Ao longo de quanto tempo? É a questão que levanto.

Além disso, qual é a razão para que se denunciasse isso numa altura destas? Uma das coisas que é preciso saber é se estava previsto haver alguma inspeção aos paióis que implicasse uma conferência de material. Se estava previsto fica clara a justificação do ser agora. Se não estava previsto, bom, há que perguntar quem é que espoletou isto, nesta altura.

A ser como eu acredito que tenha sido, é evidente que não tenho garantias que as ilações que estou a fazer sejam corretas - nada garante que esta hipótese que levanto corresponda àquilo que se passou, mas é a hipótese lógica de análise relativa à situação - é preciso saber quem provocou o acerto de cargas. Isto é, foi quem entretanto fez o furto durante algum tempo?

Há outra hipótese que começa a ser colocada, acontece muitas vezes, o material é consumido de forma normal, de forma lícita, em instrução, por exemplo. Mas consome-se nalgumas instruções mais material do que estava previsto, depois não se justifica logo, o material é antigo e não se vai dando importância a isso e mais tarde há-de resolver-se.Tudo aponta para que se trate de material que estava obsoleto, algum dele estava para ser 'abatido à carga', ser abatido e deixar de constar nos registos de existências.

É possível que se tenha passado assim. Se foi assim, a que nível de comando é que isso se passou? O comando máximo da unidade que controla isso, ou um elemento intermédio na linha de comando que é responsável pelo material e que de repente sente que tem de prestar contas e não tem condições para tal? São suposições que se podem fazer e que não são de todo inverosímeis.

Os militares não vão pedir ao poder político para ser ele a fazer a segurança das suas unidades e instalaçõesEm todo o caso, há responsabilidades militares no que se passou.

Com certeza. Há sempre alguma responsabilidade militar. E é evidente que, por muitas razões de queixa que efetivamente são legítimas, que as Forças Armadas (FA) tenham da tutela, do poder político que tem desinvestido, que não tem dado importância às FA que devia dar, o ato concreto em si tem de ser da responsabilidade da estrutura militar.

Os militares não vão pedir ao poder político para ser ele a fazer a segurança das suas unidades e instalações. Mas é evidente que é necessário que o poder político aproveite isto para ver que efetivamente tem tratado muito mal as Forças Armadas enquanto instituição que se justifica que fosse melhor tratada.

A vontade de destruir a solução que está a vigorar em Portugal é muito forte e tem forças internacionais envolvidasA ter acontecido como acredita que tenha sido, tudo encenado para atingir o Governo, o ministro da Defesa é então um alvo fraco a abater?

Eu direi que o problema não é o ministro da Defesa mas sim o Governo. Sabemos também a capacidade que determinadas organizações e determinadas forças têm em criar incidentes deste tipo. Sabemos isso. Não me custa nada admitir que tenha sido uma organização mais sofisticada a organizar isto, a provocar esta situação. Há uma coisa que é inevitável, a vontade de destruir a solução que está a vigorar em Portugal é muito forte e tem forças internacionais envolvidas.

Pergunto-me como é que é um jornal de 'vão de escada' [El Español] que acaba por trazer a notícia da listagem completa do material desaparecidoEspanholas?

Eu pergunto-me como é que é um jornal de 'vão de escada' [El Español] que acaba por trazer a notícia da listagem completa do material desaparecido. É esquisito, não é? É o mesmo jornal que também noticiou que os portugueses não tinham aceitado a oferta dos bombeiros espanhóis para nos auxiliar no fogo [de Pedrógão Grande]. Tudo isto nos obriga a pensar que pode haver aqui mãozinha de serviços de informação, etc., etc.

Tudo por motivos políticos?

Sim, sim. Inclusivamente a natureza do material não tem o mínimo interesse, ou tem muito pouco interesse, em termos de valor comercial. Acha que se justifica o risco que, apesar de tudo, um assalto daquela natureza provocaria por esse valor [34 mil euros]?

Se chegassem com esse material aos terroristas, eles riam-seAfasta então a hipótese de o material ter entrado no mercado negro e ter sido vendido a terroristas?

Se chegassem com esse material aos terroristas, eles riam-se. [Os terroristas] têm material muito mais sofisticado e possibilidades de o comprarem, porque não falta quem lho venda. Tudo isto é absolutamente ridículo na minha opinião.

Até que ponto saberemos a verdade sobre aquilo que aconteceu?

É uma boa questão que coloca, mas nós sabemos que muitas vezes estas coisas acabam por ficar, não diria no tinteiro, mas... De facto, sabemos que muitas vezes não chega a averiguações. Vamos ver. Tenhamos confiança que se saiba e que não seja só daqui a uma quantidade de anos grande e que sejam abertos determinados arquivos se possa saber o que é que se passou.

Considero que o ministro nunca devia ter lá chegado, mas isso não significa que seja agora por isto que vá ser demitido

O ministro da Defesa devia pedir a demissão como tantos têm pedido, sobretudo o CDS?

Não, por esta razão não. Como também não vejo razão que justifique demissão da ministra da Administração Interna por causa dos incêndios. Qualquer dia estão a acusar o Governo de ter sido ele a fazer os incêndios.

Vejo razão pelos procedimentos que tem havido nos últimos tempos nas Forças Armadas, sou extremamente crítico em relação a tudo isso. É evidente que considero que o ministro já não devia lá estar há muito tempo, ou melhor, nunca devia ter lá chegado, mas isso não significa que seja agora por isto que deva ser demitido. A acontecer estaríamos a dar razão, dentro da minha teoria, aos que estão a procurar destruir o Governo.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório