Meteorologia

  • 20 JUNHO 2019
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 20º

Edição

Detido em Lisboa israelita que geria rede de tráfico sexual na Colômbia

Homem era procurado pela Interpol por, alegadamente, ter criado uma rede de prostituição e tráfico humano num hotel do país da América do Sul.

Detido em Lisboa israelita que geria rede de tráfico sexual na Colômbia

O antigo militar israelita Assi Moosh, procurado pela Interpol, por alegadamente gerir uma rede internacional de tráfico de pessoas e de prostituição na Colômbia foi detido, esta quarta-feira, em Lisboa, numa operação conjunta entre a Guardia Civil espanhola e a Polícia Judiciária.

O homem, de 45 anos, estava a ser procurado pela Interpol, desde julho de 2018, pelos crimes de homicídio qualificado, formação de quadrilha, peculato, turismo sexual e ainda incentivo à prostituição.

Assi Moosh é conhecido por 'Intocável' ou por 'Demónio de Taganga' por ter sido nesta localidade colombiana que abriu uma unidade hoteleira, que transformou num paraíso para predadores sexuais de todo o mundo.

De acordo com o site local Notícias Caracol, o homem vendia pacotes turísticos "com tudo incluído", ou seja, com serviços de hospedagem, mas também com drogas e prostitutas, muitas vezes menores.

Conta ainda a mesma publicação que Assi Moosh chegou à Colômbia como turista em 2009. Em 2017 foi expulso do país, mas conseguiu voltar. Em 2018 foi obrigado a fugir quando as autoridades colombianas descobriram os crimes de que é suspeito.

No passado mês de dezembro, a polícia colombiana deteve três israelitas e dois colombianos por terem ligações à rede de turismo sexual alegadamente criada por Assi Moosh.

Enquanto isso, Assi Moosh passou pelas cidades espanholas de Ibiza e Barcelona. Quando descobriu que estava na alçada das autoridades espanholas,  fugiu para Portugal, com a mulher e com os seus "seguranças pessoais", onde foi detido esta quarta-feira, com documentos falsos.

O antigo militar isrealita aguarda agora que o Tribunal da Relação de Lisboa decida o seu futuro. Se for extraditado para a Colômbia, arrisca-se a uma pena que pode chegar aos 60 anos de prisão.

Entretanto, já ao final da noite, a Polícia Judiciária confirmou que o líder da rede internacional de tráfico sexual vai ficar em prisão preventiva, a aguardar extradição.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório