"Faltam meios à Justiça para cumprir a sua função"

Fundador do Clube dos Pensadores diz igualmente que “a justiça está sobrecarregada”.

© Joaquim Jorge
País Joaquim Jorge

Os casos judiciais que envolvem José Sócrates, ainda na fase de investigação, e de Dias Loureiro, antigo gestor do BPN, que entretanto foi ilibado, levam Joaquim Jorge a alertar para a necessidade de mais meios para a Justiça, nomeadamente quando estão em causa investigações de extrema complexidade.

PUB

Faltam meios à Justiça para esta cumprir a sua função: meios materiais e humanos, afirma o fundador do Clube dos Pensadores numa opinião veiculada ao Notícias ao Minuto, acrescentando ainda que “compete à política conceder esses meios para a justiça funcionar em pleno e sem morosidade”.

“A justiça está sobrecarregada e mostra-se incapaz de atender a todas as solicitações de forma célere e eficaz”, alerta ainda Joaquim Jorge, que sugere um contributo que poderá contribuir para melhorar esta situação: “A busca de meios alternativos de solução de conflitos que possam garantir o acesso à justiça é medida que se impõe”.

Joaquim Jorge defende igualmente que se deve apostar na “despolitização da justiça”, lembrando que “a justiça não pode ter cor partidária, nem olhar a ricos ou pobres, ministros ou cidadãos comuns. Tem que actuar e não ter contemplações com este tipo de crimes”, sentencia.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser