Meteorologia

  • 25 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 23º

Nove mortos em ataque rebelde na RCA mas número pode crescer

Pelo menos nove pessoas morreram hoje num ataque do grupo rebelde Coligação dos Patriotas pela Mudança (CPC) a uma mina de ouro na República Centro-Africana (RCA), controlada por uma empresa chinesa, noticiou a agência Efe.

Nove mortos em ataque rebelde na RCA mas número pode crescer
Notícias ao Minuto

21:06 - 12/05/24 por Lusa

Mundo República Centro-Africana

"Neste momento a população está em choque e a informação chega aos poucos. Condenamos este ato odioso" deste grupo rebelde ligado ao ex-Presidente François Bozizé, garantiu à Efe o deputado da subprefeitura de Yaloké-Bossembele (onde ocorreu o incidente), Auguste Boukanga.

Por existir ainda pouca informação, Boukanga admite que o número de mortos poderá aumentar nos próximos dias.

"Os rebeldes atacaram de madrugada, mas encontraram resistência do Exército Centro-Africano", relatou um líder da sociedade civil da região, Junior Kango.

A mesma fonte acrescentou que "houve também numerosos feridos que foram transferidos para as cidades de Gaga e de Yaloké para receber cuidados médicos", mas que estes hospitais estão saturados e alguns pacientes serão transferidos para Bangui", a capital do país.

O médico chefe do hospital de Yaloké, Henri Bengué, confirmou a chegada de numerosos feridos.

O antigo Presidente Bozizé, que presidiu a RCA entre 2003 e 2013, fundou a aliança rebelde do CPC em dezembro de 2020 com o objetivo de impedir uma eleição presidencial na qual não pudesse participar, depois de as autoridades centro-africanas terem invalidado a sua candidatura.

Os rebeldes da aliança chegaram às portas de Bangui em janeiro de 2021, mas o exército conseguiu afastá-los com a cooperação das tropas da missão de paz da ONU no país (Minusca).

Essa derrota militar forçou Bozizé a fugir para o exílio, primeiro para o vizinho Chade e depois para a Guiné-Bissau.

O sistema de justiça centro-africano condenou Bozizé a trabalhos forçados perpétuos e emitiu um mandado de detenção internacional contra ele por crimes contra a humanidade.

A RCA tem sofrido vagas de violência sistémica desde finais de 2012, quando uma coligação de grupos rebeldes de maioria muçulmana -- a Séléka -- tomou a capital e derrubou Bozizé, iniciando uma guerra civil.

Como resistência aos ataques do Séléka, formaram-se milícias cristãs anti-Balaka que, tal como o primeiro grupo, acabaram divididas em diversas fações armadas.

Dois terços do país, rico em diamantes, urânio e ouro, ainda são controlados por milícias e, segundo a ONU, perto de 500 mil pessoas estão deslocadas internamente.

Leia Também: Sobe para 62 número de mortos em naufrágio na República Centro-Africana

Recomendados para si

;
Campo obrigatório