Meteorologia

  • 07 JUNHO 2023
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 25º

"A China sabe que o Brasil não faz política com o seu comércio externo"

O embaixador brasileiro em Pequim, Marcos Galvão, disse hoje que o Brasil "não faz política com o comércio externo" e lembrou o contributo do seu país para a segurança alimentar da China.

"A China sabe que o Brasil não faz política com o seu comércio externo"
Notícias ao Minuto

08:16 - 29/03/23 por Lusa

Mundo Marcos Galvão

"A China sabe que o Brasil não faz política com o seu comércio externo ou na atração e tratamento de investimentos estrangeiros", disse Galvão, durante um fórum empresarial realizado na capital chinesa.

As declarações do diplomata surgem num período de crescentes fricções geopolíticas, marcado, em particular, por uma prolongada guerra comercial e tecnológica entre a China e os Estados Unidos e pelas sanções impostas à Rússia pelos países ocidentais, na sequência da invasão da Ucrânia.

Lembrando que o mundo atravessa uma "era de crescente politização na área económico -- comercial", o embaixador considerou que a "confiança e respeito adquiriram um valor ainda mais crucial".

"Sabemos da confiança que significa sermos o primeiro fornecedor e responsável por mais de um quinto de todos os produtos agrícolas que a China importa", disse. "Temos perfeita consciência da importância que a sociedade chinesa atribui à sua segurança alimentar, bem como ao abastecimento de outros produtos estratégicos", acrescentou.

Desde 2009, a China é o principal parceiro comercial do Brasil, com o comércio bilateral a passar de nove mil milhões de dólares (8,3 mil milhões de euros), em 2004, para 150 mil milhões (139 mil milhões de euros), em 2022. O Brasil desempenha, em particular, um papel importante na segurança alimentar da China, compondo mais de 20% das importações agrícolas do país asiático.

Marcos Galvão frisou ainda a dimensão geopolítica da relação entre Brasília e Pequim, adquirida na sequência da crise financeira internacional de 2008, que "confirmou uma mudança na correlação global de forças".

"As grandes economias emergentes foram chamadas a participar do esforço de resposta, quando o [grupo dos países desenvolvidos] G7 reconheceu que, sozinho, não daria conta do desafio", lembrou. "O G20 tornou-se, assim, o palco principal da mobilização internacional e nasceu o BRICS", o bloco de economias emergentes que junta Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, apontou.

O diplomata disse que Brasil e China trabalharam então ativamente e, muitas vezes, de forma coordenada, visando "conquistar e consolidar espaços nas deliberações internacionais sobre economia e finanças".

Luiz Inácio Lula da Silva tinha previsto realizar esta semana uma visita à China, que foi entretanto adiada, após o Presidente do Brasil ter contraído uma pneumonia.

Uma comitiva com centenas de empresários, além de governadores, senadores, deputados e ministros, encontra-se, no entanto, em Pequim, prosseguindo com a agenda original, que incluiu a realização do fórum empresarial, hoje, num hotel da capital chinesa.

Durante o fórum foram anunciados vários acordos entre empresas dos dois países nas áreas energias renováveis, agricultura ou comercialização de créditos de biodiversidade.

A nível financeiro, foi anunciada a adesão do banco sino-brasileiro BOCOM BBM ao CIPS (China Interbank Payment System), a alternativa chinesa ao Swift, o sistema internacional de pagamentos, visando incrementar o câmbio directo entre as moedas nacionais do Brasil e da China.

Também a sucursal brasileira do banco estatal chinês Industrial and Commercial Bank of China passou a atuar como banco de compensação da moeda chinesa, o yuan, no Brasil, visando "reduzir as restrições" ao uso do yuan e "promover ainda mais o comércio bilateral e facilitar investimentos" com a moeda chinesa.

Em fevereiro, os bancos centrais do Brasil e da China assinaram um memorando de entendimento para o estabelecimento de acordos de compensação do yuan, como parte dos esforços de Pequim para internacionalizar a moeda chinesa.

O estabelecimento desses arranjos "vai beneficiar as transações transfronteiriças e promover ainda mais o comércio bilateral e a facilitação de investimentos", disse então, em comunicado, o Banco Popular da China (banco central).

A China tem tentado internacionalizar o yuan desde 2009, visando reduzir a dependência do dólar em acordos comerciais e de investimento e desafiar o papel da moeda norte-americana como a principal moeda de reserva do mundo.

Esta questão tornou-se mais urgente à medida que fricções políticas e a prolongada guerra comercial e tecnológica entre Pequim e Washington resultaram na imposição de sanções contra várias entidades chinesas.

Leia Também: Jair Bolsonaro tem outro conjunto de joias oferecido pela Arábia Saudita

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório