Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2022
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 16º

ONU exorta países a adotarem reparações contra o racismo e a escravatura

A alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos exortou hoje a comunidade internacional a "financiar processos abrangentes" e adotar "uma vasta gama de medidas de reparação" relativamente aos legados da escravidão, domínio colonial e discriminação racial.

ONU exorta países a adotarem reparações contra o racismo e a escravatura

Michelle Bachelet apresentou ao Conselho de Direitos Humanos da ONU um relatório histórico sobre o tema e cuja investigação se iniciou após o assassínio do afrodescendente norte-americano George Floyd, morto por um polícia branco em maio de 2020, em Minneapolis.

Bachelet disse ao Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, que a investigação, divulgada em junho, "não conseguiu encontrar um único exemplo de um Estado que tenha feito uma avaliação abrangente do seu passado ou que tenha contabilizado o impacto nas vidas dos afrodescendentes hoje", apesar de algumas tentativas de busca da verdade por meio desculpas, litígio e a preservação de memórias.

A alta-comissária da ONU recomendou que os países "criem, reforcem e financiem totalmente processos abrangentes - com plena participação nas comunidades afetadas - para partilhar a verdade sobre o que foi feito e os danos que continuam a infligir" às vidas das pessoas.

"Estabelecer a verdade sobre esses legados, o seu impacto hoje e tomar medidas para lidar com esse dano através de uma ampla gama de medidas de reparação é crucial para curar as nossas sociedades e garantir justiça a crimes terríveis", disse Bachelet.

"As medidas tomadas para lidar com o passado transformarão nosso futuro", acrescentou.

O Conselho de Direitos Humanos encomendou o relatório durante uma sessão especial no ano passado após o assassínio de Floyd. O polícia Derek Chauvin, que matou Floyd, foi condenado a 22 anos e meio na prisão no mês passado.

O encarregado de Negócios dos EUA em Genebra, Benjamin Moeling, saudou o "relatório perspicaz e direto" numa declaração em vídeo ao Conselho.

"Os Estados Unidos estão a enfrentar esses desafios, em casa e no estrangeiro, de forma honesta e transparente, enfrentando as questões subjacentes à discriminação racial e ao uso excessivo de força pela polícia", disse Moeling.

Leia Também: Contra a invisibilidade e o racismo, Lúcia Vicente escreveu para jovens

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório