Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2021
Tempo
20º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Ajudas a Moçambique foram canalizadas para elites em vez das populações

O diretor da organização não-governamental (ONG) Centro para a Democracia e Desenvolvimento considerou hoje que as ajudas que Moçambique recebeu para combater a pandemia foram canalizadas para as elites e não para a população, perpetuando a "governação de corrupção".

Ajudas a Moçambique foram canalizadas para elites em vez das populações
Notícias ao Minuto

15:09 - 09/06/21 por Lusa

Mundo Covid-19

"As verbas disponibilizadas por entidades multilaterais para ajudar a combater a pandemia deviam ir para proteção social, revitalização da economia e estabilização macroeconómica, mas as prioridades foram alteradas e corruptamente Moçambique continuou com o mesmo padrão de governação de corrupção, entregando o dinheiro às elites, às grandes empresas, em vez de dar às famílias", disse Adriano Nuvunga.

O dirigente da ONG moçambicana falava na conferência 'online' sobre "A Pandemia da Dívida: Que Impactos para Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique?".

Na conferência, organizada pela Associação para a Cooperação Entre os Povos (ACEP) e a Plataforma Portuguesa das organizações não-governamentais para o Desenvolvimento (ONGD), o ativista disse que esta utilização das verbas "é consistente com o padrão dos últimos 30 anos, em que os recursos públicos são usados para o enriquecimento das elites e empobrecimento das populações, e consolidou-se mesmo em tempos de crise".

Na opinião do diretor da ONG, "Moçambique perdeu a oportunidade porque manteve o padrão de marginalização da população e perpetuou o oportunismo das elites".

O país, acrescentou, já tinha o setor da saúde "em semicolapso mesmo antes da pandemia de Covid-19, e perdeu a capacidade de recuperar e gerar receitas, já que a covid-19 atrofiou não só a governação, mas também a capacidade produtiva da sociedade".

África registou mais 388 mortos devido à Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 133.174 óbitos, e mais 12.852 casos, com o número de infetados a subir para 4.951.177, segundo os dados oficiais mais recentes.

O primeiro caso de Covid-19 em África surgiu no Egito, em 14 de fevereiro de 2020, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

Moçambique contabiliza 839 mortes e 71.165 casos de Covid-19.

A pandemia de provocou, pelo menos, 3.750.028 mortos no mundo, resultantes de mais de 173,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Leia Também: Governo moçambicano e setor privado juntam-se para adquirir mais vacinas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório