Meteorologia

  • 05 JULHO 2022
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 32º

Relator da ONU desaconselha intervenção militar na Birmânia

O relator especial das Nações Unidas sobre a Birmânia, Tom Andrews, desaconselhou hoje uma eventual intervenção militar estrangeira no país defendendo o isolamento diplomático da junta militar que tomou o poder e contactos com a sociedade civil. 

Relator da ONU desaconselha intervenção militar na Birmânia

"Receio que qualquer tipo de intervenção militar possa conduzir a uma perda 'massiva' de vidas", disse Tom Andrews numa entrevista publicada hoje no portal das Nações Unidas.

O responsável considera "erro muito grave" qualquer solução militar.

O relator especial da ONU disse que seria "extremamente importante" que se realize com brevidade uma cimeira dos países que manifestem vontade em "tomar ações" para proteger a sociedade birmanesa de forma "coerente, clara e interligada". 

Andrews instou a "comunidade internacional" a apoiar os deputados depostos, organizações não-governamentais e civis que se opõem aos militares.

As forças militares e policiais no poder mataram 730 pessoas, sobretudo durante atos de repressão contra manifestações e protestos de desobediência civil, desde 01 de fevereiro, dia do golpe de Estado na Birmânia. 

Na sexta-feira passada, o movimento civil formou um "governo de unidade nacional" que pretende ser eleito como representante legítimo do povo contra a Junta Militar liderada pelo general Min Aung Hlaing.

O porta-voz do governo sombra criticou que a Associação dos Países do Sudeste Asiático (ASEAN) tenha legitimado a Junta Militar ao convidar Ming Aung Hlaing para a cimeira da organização marcada para o dia 24 de abril em Jacarta. 

Andrews, antigo congressista norte-americano apelou também à responsabilidade face ao documento "R2P", que engloba princípios de ação dos países que fazem parte da ONU em caso de genocídio, limpeza étnica, crimes de guerra e crimes contra a humanidade.  

O "R2P" surgiu em 2005 após a falta de iniciativa da ONU face ao genocídio no Ruanda e da guerra no Kosovo, nos anos 1990, e contempla ações diplomáticas como mediação, sanções, embargo de armas e a intervenção militar como último recurso.

O relator afirmou ainda que os princípios do "R2P" podem ser usados no auxílio aos refugiados que tentam evitar a violência militar na Birmânia. 

"Já vimos pessoas a dirigirem-se para a fronteira. Creio que temos de assegurar que os países vizinhos respeitem o direito fundamental dessas pessoas porque estão literalmente a fugir para salvar a vida da brutalidade", declarou.

"A 'comunidade internacional' tem que apoiar estes países a acolher e cuidar os refugiados", acrescentou Tom Andrews que anteriormente já tinha afirmado que a Birmânia "se encontra sob um regime ilegal e assassino" que pode ter cometido "crimes contra a humanidade". 

A Organização de Mulheres Karen (KWO, na sigla em inglês) acusou em março as autoridades tailandesas de recusar a entrada a mais de dois mil refugiados de origem karen, incluindo mulheres e crianças que fugiam da violência militar.

As autoridades de Banguecoque insistem que acolheram pelo menos 500 refugiados e que estão preparadas para receber mais pessoas que necessitem de ajuda. 

Cerca de 3.500 birmaneses fugiram para a Índia, onde foram acolhidos nos estados fronteiriços contra as instruções de Nova Deli que ordenou que a entrada fosse impedida aos refugiados.

A Tailândia e a Índia não subscreveram a Convenção para os Refugiados da ONU que data de 1951.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório