Meteorologia

  • 02 MARçO 2021
Tempo
11º
MIN 8º MÁX 18º

Edição

Rebeldes Huthis condenam ser classificados de terroristas pelos EUA

Os rebeldes Huthis no Iémen condenaram hoje a sua designação como um grupo "terrorista" pelo Governo do Presidente cessante dos Estados Unidos, Donald Trump, a quem acusam de, ele sim, ter políticas terroristas.

Rebeldes Huthis condenam ser classificados de terroristas pelos EUA
Notícias ao Minuto

09:35 - 11/01/21 por Lusa

Mundo Iémen

"Os norte-americanos são a raiz do terrorismo. As políticas e ações do Governo Trump também são terroristas. As suas políticas refletem o pensamento de crise e são repreensíveis e temos o direito de lutar contra estas posições", disse Mohamed Ali al-Houthi, que é um alto oficial dos rebeldes numa mensagem publicada na rede social Twitter.

"O povo iemenita preocupa-se com qualquer designação da Administração Trump quando esta é cúmplice do assassínio de iemenitas", acrescentou.

O Governo de Trump anunciou no domingo, a dez dias do fim do seu mandato, que colocaria os rebeldes Huthis na lista negra de grupos "terroristas", o que, segundo organizações internacionais, pode agravar a crise humanitária naquele país do Médio Oriente.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, explicou que notificará o Congresso desta decisão a fim de fortalecer a "dissuasão contra as atividades nocivas do regime iraniano", que apoia o grupo rebelde iemenita contra o Governo suportado por uma coligação liderada pelo Arábia Saudita, aliada de Washington.

Três líderes Huthis também estão na lista negra, incluindo o seu líder Abdel Malek al-Houthi.

A situação no Iémen levou as Nações Unidas a sugerir, também no domingo, a criação de uma zona desmilitarizada na cidade de Hodeida, no Iémen, nas margens do Mar Vermelho, para haver um acesso mais fácil à zona e de controlo do cessar-fogo.

No domingo, realizaram-se reuniões entre a missão da ONU e os rebeldes xiitas Huthis na capital, Sana, para discutir o acesso à província.

Desde o início da guerra em grande escala, no começo de 2015, o Acordo de Estocolmo, assinado em dezembro de 2018, foi o primeiro entre o governo do Presidente exilado, Abdo Rabu Mansur Hadi, apoiado pela Arábia Saudita, e os Huthis, que controlam o nordeste o Iémen, um terço do território do país.

O acordo estipulava um cessar-fogo e a desmilitarização da cidade de Hodeida, do seu porto e dos dois portos vizinhos de Salif e Ras Issa.

As partes concordaram também que os Huthis permaneceriam dentro da cidade e os membros leais da coligação ficariam na periferia sul e leste, embora as hostilidades continuem.

A guerra no Iémen mergulhou o país, o mais pobre da Península Arábica, na pior crise humanitária do mundo, segundo a ONU, com quase toda a população à beira da fome e ameaçada por epidemias.

Leia Também: Iémen: Dez civis, mulheres e crianças, mortos em ataque dos rebeldes

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório