Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2022
Tempo
10º
MIN 6º MÁX 14º

Edição

UE condena ataque com mísseis ao governo de unidade nacional do Iémen

A União Europeia (UE) condenou o ataque com mísseis, ocorrido na quarta-feira, contra o recém-formado Governo de unidade nacional do Iémen, durante a sua chegada ao aeroporto de Aden, no sul do país.

UE condena ataque com mísseis ao governo de unidade nacional do Iémen
Notícias ao Minuto

06:15 - 31/12/20 por Lusa

Mundo Iémen

O ataque provocou pelo menos 25 mortos e 110 feridos, de acordo com a última atualização das autoridades locais.

"É um ato de violência inaceitável num momento chave para a implementação dos acordos de Riade para uma solução política completa", afirmou, em comunicado, um porta-voz do alto representante comunitário para a Política Externa, Josep Borrell.

Este ataque, acrescentou, "não deve desanimar" as partes em conflito a trabalhar com o enviado especial das Nações Unidas, Martin Griffiths, para alcançar um acordo de cessar-fogo em todo o país e retomar as negociações políticas.

A UE reiterou que "o conflito do Iémen só pode ter uma solução política" e que está "fortemente comprometida com a soberania, independência, estabilidade e integridade territorial" do país, além de que continuará a "apoiar todos os esforços para uma solução pacífica".

Nesse sentido, desejou "força" ao novo Governo de unidade para enfrentar as "difíceis tarefas que tem pela frente".

O executivo internacionalmente reconhecido do Iémen, cujos membros escaparam ilesos ao ataque de quatro mísseis balísticos, atribuiu a autoria dos ataques aos rebeldes Huthi, com os quais estão em guerra desde o final de 2014.

Além disso, demarcou-se da agressão ao solidarizar-se com as vítimas e condenar o que denominou como "fações mercenárias".

O Governo internacionalmente reconhecido do Iémen exerceu, durante anos de guerra civil no país, num exílio autoimposto na capital saudita.

O Presidente do Iémen, Abed Rabbo Mansour Hadi, também exilado na Arábia Saudita, anunciou uma remodelação do Governo no início deste mês.

O país, pobre e devastado pelos conflitos, formou novo Governo de unidade entre ministros pró-poder e separatistas em 18 de dezembro, sob a égide da Arábia Saudita.

Os dois lados, que disputavam o poder no sul, são, no entanto, aliados contra os rebeldes Huthi, apoiados pelo Irão, que tomaram grande parte do norte do país, incluindo a capital Sanaa.

Profundas divisões no campo anti-Huthi surgiram nos últimos anos entre apoiantes do Governo e separatistas do sul, que os acusam de corrupção e conivência com os islâmicos.

A Arábia Saudita intermediou um acordo para partilha do poder no sul e tem tentando, há mais de um ano, formar um novo Governo de unidade para manter a coligação unida contra os Huthis, que se têm aproximado de Marib, o último reduto do Governo do norte.

A guerra no Iémen mergulhou o país, o mais pobre da Península Arábica, na pior crise humanitária do mundo, segundo a ONU, com quase toda a população à beira da fome e ameaçada por epidemias.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório