Meteorologia

  • 10 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 26º

China aposta no consumo interno face a "mudanças turbulentas"

O Presidente chinês, Xi Jinping, alertou que a China vai enfrentar um período de "mudanças turbulentas", marcado por "maiores riscos externos", pelo que vai apostar no fomento do consumo interno para sustentar o seu crescimento económico.

China aposta no consumo interno face a "mudanças turbulentas"

Xi, que participou na segunda-feira à noite num simpósio sobre o plano económico quinquenal a ser lançado pelo Partido Comunista Chinês (PCC) no próximo ano, disse que "a China deve estar preparada para o desafio", face aos "ventos cada vez mais contrários no ambiente externo", segundo a agência noticiosa oficial Xinhua.

O Presidente chinês frisou que "é preciso estabelecer um novo padrão de desenvolvimento", que tenha o mercado interno "como base" e que permita que os mercados interno e externo se "reforcem".

"O mercado interno vai dominar o ciclo económico nacional no futuro", disse, citado pela Xinhua.

Xi Jinping afirmou crer que a pandemia da covid-19 está a acelerar as mudanças "inéditas num século" e que a China deve "aproveitar as oportunidades" que surgirem.

A China vai assim tentar crescer através da inovação científica e tecnológica "independente" e investir no "desenvolvimento de tecnologias essenciais o mais rápido possível".

Sobre a diplomacia, o chefe de Estado chinês indicou que a China "fará com que o seu estatuto continue a elevar-se na economia mundial".

O país asiático enfrenta uma prolongada guerra comercial e tecnológica com os Estados Unidos, à medida que a administração de Donald Trump procura reduzir a interdependência entre as duas maiores economias do mundo e conter a ascensão do país asiático.

A União Europeia afirmou também recentemente que a China não fez os avanços esperados desde a última cimeira, em 2019, para reduzir as barreiras no acesso ao seu mercado, o que afeta a Europa, o maior investidor estrangeiro e parceiro comercial do país asiático.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 809 mil mortos e infetou mais de 23,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório