Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2021
Tempo
25º
MIN 16º MÁX 25º

Edição

Argentina quer continuar nas negociações do Mercosul, com ritmo diferente

A Argentina recuou da decisão de abandonar completamente as negociações do Mercosul com outros países e pede agora a Brasil, Paraguai e Uruguai para negociar numa velocidade menor, entrando nos acordos depois dos demais membros do bloco sul-americano.

Argentina quer continuar nas negociações do Mercosul, com ritmo diferente
Notícias ao Minuto

06:27 - 01/05/20 por Lusa

Mundo MERCOSUL

"A Argentina ratifica a necessidade de avançar na procura de soluções conjuntas que permitam aos países do bloco avançarem em ritmos diferenciados com a agenda de relacionamento externo, levando em consideração a situação económica interna da Argentina e o contexto internacional (de pandemia)", apontou, em comunicado, o Ministério das Relação Exteriores da Argentina, depois de uma reunião por videoconferência entre os coordenadores dos países do Mercosul na quinta-feira.

A estratégia de tentar continuar na mesa de negociações para tratados de livre comércio com Coreia do Sul, Canadá, Singapura e Líbano, depois de anunciar que abandonava todas essas negociações, aponta agora a conseguir que os demais membros do Mercosul, Brasil, Paraguai e Uruguai, aceitem que a Argentina entre nos acordos posteriormente num mecanismo denominado "duas velocidades".

O mecanismo daria à Argentina mais tempo para cuidar primeiro da sua crise económica interna, agravada pela pandemia, e para renegociar a sua dívida pública externa com os credores privados.

Os demais membros do Mercosul vão avaliar a proposta Argentina ao longo da semana e terão uma nova reunião no dia 07 de maio. Antes disso, porém, no dia 05 de maio, "vão trocar documentos para encontrarem o melhor mecanismo que atenda os interesses de cada país nas negociações externas", considerando que "a melhor solução sempre será um acordo de todos os membros", explicaram as autoridades argentinas.

Sobre o ponto de colisão entre a Argentina e o Brasil, acompanhado por Uruguai e Paraguai, em relação à Coreia do Sul, o comunicado adverte que a visão argentina é de que um acordo com a Coreia do Sul põe em risco os empregos industriais no país.

"Em relação a um eventual acordo com a Coreia do Sul, diversas entidades que representam os setores produtivos manifestaram formalmente as suas objeções sobre o impacto no tecido industrial, sobretudo no contexto da crise global gerada pela covid-19", apontou a Chancelaria argentina.

Na sexta-feira passada, a Argentina decidiu abandonar todas as negociações, atuais e futuras, do Mercosul para acordos de comércio livre com outros países e blocos, alegando que "se concentrará na sua política interna e protegerá as suas empresas e famílias humildes".

Brasil, Paraguai e Uruguai querem acelerar as negociações comerciais porque acreditam que a abertura de novos mercados vai ajudar a enfrentar os efeitos da crise económica provocados pelo coronavírus no comércio internacional.

Já a Argentina defende que é preciso primeiro medir o dano causado pelo vírus na economia para depois avaliar como continuar com as negociações comerciais.

A decisão argentina, na prática, bloqueia o objetivo dos restantes membros (Brasil, Paraguai e Uruguai) de abrir-se ao mundo porque a denominada resolução 32, aprovada em 2000, proíbe a negociação individual de acordos com países de fora do bloco. Pelas atuais regras, todos os países precisam de negociar em conjunto e aprovar determinada decisão por consenso.

O Brasil viu na decisão argentina de abandonar as negociações uma oportunidade de avançar na abertura comercial sem obstáculos da Argentina e quer explorar, junto aos demais membros, uma brecha na normativa do bloco para fintar a Argentina.

Já a Argentina entende que essa flexibilização nas regras seria o fim do Mercosul como União Alfandegária.

"Se os demais membros querem acabar com o Mercosul, que o digam. Se o Brasil quer fazer o que bem entender, para que existe o Mercosul?", questionou, nesta semana, o presidente argentino, Alberto Fernández, que assumiu o cargo em dezembro e retirou a Argentina do caminho que permitiu ao Mercosul fechar, no ano passado, acordos a União Europeia e com a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA, nas siglas em inglês).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório