Meteorologia

  • 08 ABRIL 2020
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 21º

Edição

Afeganistão vai libertar até 10.000 prisioneiros para travar epidemia

Até cerca de 10.000 presos no Afeganistão serão libertados dentro de 10 dias para tentar impedir a propagação do novo coronavírus, e que visa prevenir o acentuado falhanço que se sente nas infraestruturas de saúde, anunciaram hoje as autoridades.

Afeganistão vai libertar até 10.000 prisioneiros para travar epidemia
Notícias ao Minuto

17:06 - 26/03/20 por Lusa

Mundo Covid-19

Num país com flagrantes insuficiências no sistema sanitário, após quatro décadas de guerra, o surto de covid-19 levou o regime a libertar alguns prisioneiros, nomeadamente mulheres, crianças e doentes graves, bem como aqueles que tenham mais de 55 anos, disse hoje o procurador-geral do Afeganistão, Farid Hamidi, num comunicado.

A medida, tomada por decreto presidencial publicado hoje, "não se aplica a quem cometeu crimes contra a segurança nacional e internacional", acrescentou o procurador-geral, explicando que se trata de uma "decisão responsável em nome da preservação da saúde da população".

As libertações não estão ligadas a uma operação de troca de prisioneiros, que o governo afegão está atualmente a negociar com os talibãs, como parte de um esforço para iniciar conversações de paz.

"As prisões são locais de alto risco para a transmissão e disseminação do vírus", disse o ministro da Saúde, Feruziddin Feroz, igualmente num comunicado.

O decreto presidencial prevê a libertação de 9.000 a 10.000 prisioneiros, que deve ficar concluída nos próximos dez dias, disse o diretor de administração penitenciária, Rashed Totakhail.

O Afeganistão conta oficialmente com duas mortes pela covid-19, além de outros 80 casos de contaminação entre afegãos e quatro entre militares estrangeiros.

Mas a realidade poderá agravar-se substancialmente neste país com cerca de 35 milhões de habitantes, com infraestruturas de saúde muito limitadas, após 40 anos de conflito.

A libertação de prisioneiros fora já pedida pela Alta Comissária para os Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, e já está a ser executada por alguns países.

O Sudão declarou a libertação de mais de 4.000 detidos, na quarta-feira, e a Etiópia declarou a intenção de aplicar uma amnistia a 4.000 dos seus detidos.

No Irão, as autoridades também já anunciaram a libertação de cerca de 70.000 prisioneiros, para combater a propagação da pandemia.

A proibição de visitas aos detidos para limitar a transmissão do vírus também tem causado tumultos nas prisões italianas e fugas de prisioneiros no Brasil e na Venezuela.

"Os esforços para controlar a propagação da doença podem falhar se as medidas de controlo de infeção nas prisões foram negligenciadas", alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) na segunda-feira, num relatório.

"As pessoas privadas de liberdade (...) provavelmente são mais vulneráveis à epidemia de coronavírus do que a população em geral, devido às condições de confinamento em que vivem", explicou a OMS.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório