Meteorologia

  • 04 ABRIL 2020
Tempo
17º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

Países africanos precisam de dados estatísticos para melhorar governação

Os países africanos precisam de dados estatísticos robustos para poderem conceber políticas eficientes para a educação ou saúde, avisou a diretora executiva da Fundação Mo Ibrahim, Nathalie Delapalme, que elogiou Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

Países africanos precisam de dados estatísticos para melhorar governação
Notícias ao Minuto

09:37 - 02/11/19 por Lusa

Mundo África

"Existe uma preocupação abrangente com a falta de estatísticas para monitorizar de maneira coerente se África está no caminho certo ou não. Sem dados sólidos, não podemos ter políticas sólidas. Se não se pode avaliar o estado atual, se não se pode dizer exatamente para onde se quer ir e se não pode monitorizar se está a ir corretamente, é muito difícil liderar políticas eficientes", afirmou à agência Lusa.

Esta foi uma das principais conclusões do "Relatório sobre a Governação Africana da Fundação Mo Ibrahim" lançado em outubro com o objetivo de avaliar o progresso em termos da implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS, Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas) e da Agenda África 2063, destacando algumas prioridades.

Por exemplo, na educação, o relatório encoraja os governos a alinhar melhor a educação com as necessidades do mercado de trabalho, apostando no envolvimento do setor privado para avaliar as necessidades em termos profissionais.

Na área da saúde, realçou a importância da disponibilidade, qualidade, acessibilidade, particularmente económica, e capacidade dos serviços de saúde, bem como a segurança alimentar.

Sobre a prosperidade e oportunidades económicas, o estudo incentiva os governos a promoverem economias diversificadas, a acelerar o progresso a nível de infraestruturas, nomeadamente dos transportes, eletricidade e tecnologias de informação e comunicação.

A Fundação, que baseou este estudo nos dados do Índice Ibrahim de Governação Africana (IIAG), concluiu que "os institutos de estatísticas nos países africanos em geral sofrem de falta de recursos financeiros" e de apoio dos governos.

Segundo o relatório, quase metade das metas da Agenda 2063 - definida pela União Africana - não é diretamente quantificável e menos de 20% não possui um indicador para medir progressos.

Mais de metade dos tipos de fontes de dados sobre os indicadores dos ODS em África correspondem a estimativas ou estudos internacionais e apenas um terço das fontes de dados são de fontes diretas nacionais, refere.

Cabo Verde e São Tomé e Príncipe destacam-se por fazerem parte de um grupo de oito países africanos com sistemas operacionais de registo de natalidade e óbitos para mais de 90% da população.

"São dois países pequenos e, obviamente, indicam que, quanto maior o seu país, provavelmente mais difícil é ter um sistema de registo vital e sólido", admitiu a antiga inspetora geral das Finanças em França, em declarações por telefone à Lusa.

Porém, também salientou que os governos africanos precisam de "considerar e estarem cientes da importância dos dados" e que até agora "houve um empenho insuficiente para este setor importante".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório