Meteorologia

  • 22 MAIO 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Bruxelas lamenta fim de isenções aplicadas pelos EUA ao petróleo iraniano

A Comissão Europeia lamentou hoje a decisão dos Estados Unidos de suspender isenções aplicadas a oito países sobre a compra de petróleo a Teerão, garantindo o compromisso da União Europeia (UE) com o acordo relativo ao programa nuclear iraniano.

Bruxelas lamenta fim de isenções aplicadas pelos EUA ao petróleo iraniano
Notícias ao Minuto

13:08 - 23/04/19 por Lusa

Mundo Comissão Europeia

"Lamentamos a decisão anunciada ontem [segunda-feira] pelos Estados Unidos. Põe em risco a implementação do Plano de Ação Conjunto Global, que é fundamental para a não proliferação nuclear no mundo (...) e que é também é crucial para a segurança na região", afirmou a porta-voz da Comissão Europeia para a política externa, Maja Kocijancic.

A responsável vincou que "a UE vai manter o apoio ao Plano de Ação Conjunto Global, desde que o Irão continue a respeitar e a implementar, na totalidade, os seus compromissos nucleares".

A reação surge após os Estados Unidos terem endurecido a sua política em relação a Teerão e de terem anunciado que não iriam renovar as isenções para a compra de petróleo iraniano que abrangiam oito países, incluindo alguns dos maiores importadores do crude iraniano (China, Turquia e Índia).

Também abrangidos por estas isenções estavam o Japão, a Coreia do Sul, a Itália, a Grécia e Taiwan, sendo que os últimos três já tinham deixado de comprar petróleo ao Irão em novembro passado.

O fim destas isenções, que permitiam a compra de petróleo iraniano sem violar as regulamentações norte-americanas, entra em vigor no próximo dia 2 de maio.

Se estes importadores de petróleo iraniano mantiverem ligações com Teerão, poderão enfrentar sanções, admite a Casa Branca.

Os Estados Unidos impuseram novas sanções ao Irão em agosto e em novembro do ano passado, afetando, entre outros setores, o energético e o bancário.

As sanções foram determinadas depois de Washington ter saído, unilateralmente, do acordo nuclear assinado em 2015 entre Teerão e seis grandes potências.

A decisão norte-americana pretende levar as exportações de petróleo do Irão a zero, negando ao governo de Teerão a sua principal fonte de receita.

As receitas provenientes das exportações de petróleo são vitais para a economia iraniana, que sofre há cerca de um ano uma grave crise marcada pela inflação e pela desvalorização da moeda nacional (rial iraniano).

Estima-se que as exportações iranianas sejam atualmente inferiores a um milhão de barris por dia, um valor muito menos expressivo quando comparado com os mais de 2,5 milhões de barris por dia que eram registados antes do Presidente norte-americano, Donald Trump, ter abandonado o acordo nuclear.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório