Meteorologia

  • 23 MARçO 2019
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

Português confessou rapto e abandono de vítima numa mala nos EUA

O luso-venezuelano preso esta semana por furto e homicídio nos Estados Unidos confessou às autoridades ter transportado e abandonado a ex-namorada dentro de uma mala numa floresta, segundo documentos a que a Lusa teve hoje acesso.

Português confessou rapto e abandono de vítima numa mala nos EUA
Notícias ao Minuto

18:31 - 15/02/19 por Lusa

País Valerie Reyes

Na entrevista às autoridades a 12 de fevereiro, conduzida em espanhol e em inglês, o luso-venezuelano Javier Enrique Da Silva Rojas, de 24 anos, confessou ter tido um encontro sexual com a vítima, a sua ex-namorada Valerie Reyes, na noite de 28 a 29 de janeiro e disse ter-lhe aplicado fita adesiva na boca, mãos e pés depois de esta ter caído no chão e ter batido acidentalmente com a cabeça.

Javier Enrique Da Silva Rojas confessou também ter colocado o corpo numa mala, transportando-a num carro e abandonando-a numa floresta.

Segundo um investigador da agência norte-americana Federal Bureau of Investigation (FBI), citado nos documentos que a Lusa consultou hoje, o arguido foi avisado do direito de permanecer em silêncio, (Advertência de Miranda, no termo técnico utilizado pela justiça norte-americana), mas "desistiu dos seus direitos de Miranda" e fez as afirmações.

O arguido de 24 anos foi preso no dia 11 de fevereiro por furto, por ter utilizado o cartão bancário da vítima para levantar mil dólares (875 euros) a 29 de janeiro, enquanto as autoridades continuavam a tentar provar que também cometeu o crime de homicídio.

O investigador do FBI fez um depoimento no tribunal para determinar se houve ou não um crime de homicídio, dizendo que o português "raptou uma mulher, Valerie Reyes, em New Rochelle, Nova Iorque" entre 28 e 29 de janeiro, com fita adesiva na boca e nas mãos, fechando-a numa mala vermelha e transportando-a para Greenwich, no estado de Connecticut, para se livrar do corpo, "que resultou na morte da jovem".

O agente, que disse ter retirado as informações em conversas com testemunhas e polícias e através de gravações, acrescentou também que se escusa a indicar diversos outros factos sobre o caso, por se tratar de um depoimento para determinar um crime de homicídio.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório