Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

Se virem preços anormais "chamem a polícia", pede Erdogan

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, aconselhou hoje a população, atingida pela desvalorização da moeda nacional, lira, que perdeu 40% do valor em 12 meses, que chame a polícia se detetar um aumento anormal dos preços nos estabelecimentos.

Se virem preços anormais "chamem a polícia", pede Erdogan
Notícias ao Minuto

15:28 - 02/10/18 por Lusa

Mundo Turquia

"Querida nação, vós sois as pessoas que seguem mais de perto o que ocorre nos mercados. Se vires um câmbio de facto incomum, nunca visto, nos preços de um produto, chamem de imediato a polícia municipal", disse o Presidente no parlamento.

"Também me dirijo às câmaras municipais: por favor, deem alento à vossa polícia municipal para que se mostre atenta neste assunto", acrescentou Erdogan durante o mesmo discurso, transmitido em direto pela cadeia televisiva NTV.

O Presidente turco não especificou que medidas podem tomar os agentes contra os supermercados ou mercearias que sigam a tendência da alta dos preços, em grande medida relacionada com a queda da lira e o consequente aumento dos produtos importados ou produzidos com a inclusão de componentes estrangeiras.

Segundo os dados oficiais, a inflação atingiu em agosto 17,9%, o valor mais elevado em uma década.

Em agosto, o Ministério do Comércio anunciou que vai investigar e impor multas às empresas que tenham aumentado de forma "anormal" os preços e tenham recorrido a "subidas de preços encobertas", mas sem precisar que género de subida seria considerada um crime.

A crise financeira na Turquia coincide com uma crise diplomática entre a Turquia e os Estados Unidos, com impacto na economia turca, e que implicou uma tentativa de reaproximação à Europa na sequência da recente visita de Erdogan à Alemanha.

As relações entre Ancara e a generalidade dos países da União Europeia registaram um acentuado recuo após o fracassado golpe de Estado de julho de 2016, com Ancara a censurar os aliados europeus por falta de solidariedade na sequência da intentona militar.

Mas a liderança turca parece ter agora adotado uma linguagem mais conciliadora e quando se degradam as suas relações com Washington e a sua economia, muito dependente das trocas comercias com a Europa, está em acentuado recuo.

As acusações de deriva autoritária atribuídas ao líder turco, em particular a ampla vaga repressiva que se sucedeu ao golpe e o reforço dos poderes presidenciais, não impediram Erdogan de ser recebido com "pompa e circunstância" pelos altos responsáveis germânicos, suscitando diversas críticas e originando manifestações de protesto.

Apesar de persistirem divergências de fundo entre os dois países, Erdogan prometeu ultrapassar a "época de problemas com a Europa" e melhorar "gradualmente" as suas relações com a União Europeia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório