Meteorologia

  • 16 NOVEMBRO 2018
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 16º

Edição

Tribunal diz que há provas para julgar cientista indiano por assédio

Um tribunal da Índia considerou que, numa primeira análise, há provas para julgar o cientista indiano e ex-responsável das Nações Unidas Rajendra Pachauri, na denúncia por perseguição e assédio sexual feita por uma ex-trabalhadora.

Tribunal diz que há provas para julgar cientista indiano por assédio
Notícias ao Minuto

13:44 - 15/09/18 por Lusa

Mundo Índia

Na audiência realizada na sexta-feira, o magistrado Charu Gupta agendou para 20 de outubro a audiência preliminar que ditará as acusações contra Rajendra Pachauri que serão levadas a julgamento.

O caso remonta há três anos, quando a queixosa, na altura com 29 anos e que trabalhava com Pachauri no Instituto de Energia e Recursos, o acusou de assédio sexual, perseguição e intimidação criminal, crimes que podem conduzir a uma pena de prisão de dois anos.

"Numa primeira análise, o tribunal encontrou provas. Foi-lhe pedido que apresente provas em contrário", relatou o advogado que representa a queixosa, não identificada para proteção legal.

"Este é um grande passo rumo à verdade. Estou aliviada e exausta de lutar contra Pachauri", confessou a alegada vítima, após a audiência de sexta-feira. "Estou desfeita em pedaços. Isto não tem sido fácil", reconheceu.

Segundo relatos veiculados pela imprensa, a denunciante acusa Pachauri de a ter inundado de mensagens ofensivas e de fazer vários avanços "carnais e perversos" durante os 16 meses em que trabalharam juntos.

Antes de chegarem à justiça, as acusações foram objeto de investigação por um comité interno do Instituto de Energia e Recursos, que as validou.

Segundo a agência indiana Press Trust of India, Ashish Dixit, o advogado de defesa descartou a validade do caso e clamou vitória por o tribunal ter deixado cair "a maioria" das acusações.

Esta não é a única mulher a acusar Pachauri, duas outras ex-trabalhadoras do Instituto o fizeram, também publicamente, uma das quais acusou a polícia de se ter recusado a registar queixa, apesar de o ter pedido várias vezes.

Pachauri processou uma das queixosas por difamação, caso que ainda corre em tribunal.

Apesar de rejeitar todas as acusações, Pachauri demitiu-se do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas das Nações Unidas e também do Instituto de Energia e Recursos, grupo de reflexão e influência ambiental de Nova Deli, que fundou e dirigiu durante mais de três décadas.

Pachauri presidiu ao painel das Nações Unidas (considerada a maior autoridade em alterações climáticas), tendo recebido, em nome deste, o Prémio Nobel da Paz 2007.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório