Meteorologia

  • 16 AGOSTO 2018
Tempo
24º
MIN 21º MÁX 27º

Edição

Número de refugiados em Moçambique aumenta para 40.368 em 2017

O número de refugiados estrangeiros que Moçambique acolhe aumentou de cerca de 26 mil em 2015 para 40.368 em 2017, anunciou hoje o Instituto Nacional de Apoio aos Refugiados (INAR), um organismo governamental moçambicano.

Número de refugiados em Moçambique aumenta para 40.368 em 2017
Notícias ao Minuto

14:13 - 13/06/18 por Lusa

Mundo INAR

O diretor-nacional do INAR, António Júnior, considerou moderado o aumento, em conferência de imprensa, assinalando que o fluxo migratório em Moçambique está a acompanhar a tendência de crescimento que se regista em todo o mundo.

"A tendência do fluxo migratório em Moçambique é de um crescimento moderado, em 2017, o país recebeu cerca de 700 refugiados, mas só no primeiro trimestre deste ano, chegaram 769 refugiados", declarou Inácio Júnior.

Em termos de chegadas diárias de refugiados, prosseguiu, o número baixou de uma média de 800 refugiados por dia, em 2014, para 30 a 50 refugiados, atualmente.

Do total dos refugiados que Moçambique acolhe, 13.554 residem no centro de Marretane, na província de Nampula, norte do país, o único existente no país, e 16.517 estão dispersos pelas restantes províncias do país e por centros urbanos.

Desse número global, 4.732 gozam de um estatuto reconhecido de refugiado, enquanto o remanescente aguarda resposta ao requerimento de asilo.

O país acolhe refugiados da RDCongo, Somália, Etiópia, Burundi, Ruanda, Congo Brazaville, entre outros países, maioritariamente da região dos Grandes Lagos.

Falando na ocasião, o representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Hans Lunshof, declarou que Moçambique tem bons exemplos no tratamento dos refugiados, destacando a qualidade de integração na vida social e económica do país.

"Moçambique tem demonstrado que um refugiado bem integrado não é um custo a mais do que qualquer outro cidadão", afirmou Hans Lunshof.

O representante do ACNUR elogiou o facto de as crianças refugiadas em Moçambique estarem a frequentar a escola e a possibilidade de filhos de refugiados nascidos no país poderem ter a nacionalidade moçambicana.

"O facto de os filhos de refugiados que nascem em Moçambique poderem ter um registo de nascimento demonstra a preocupação do país em conceder um direito fundamental aos recém-nascidos", acrescentou.

O INAR e o ACNUR concederam a conferência de imprensa, para assinalar o Dia Mundial do Refugiado, que se celebra no próximo dia 20.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.