Meteorologia

  • 22 JULHO 2019
Tempo
22º
MIN 18º MÁX 24º

Edição

CGD? Centeno e Costa alinhados. Quem determinou a auditoria foi o Governo

Conclusões da auditoria realizada pela EY revelaram falhas ao nível da gestão e da política de remuneração da Caixa Geral de Depósitos. No Parlamento, e perante críticas da oposição, Governo disse estar a acompanhar o processo.

CGD? Centeno e Costa alinhados. Quem determinou a auditoria foi o Governo

A polémica estalou esta semana: um relatório de uma auditoria da EY à Caixa Geral de Depósitos (CGD) veio revelar falhas na gestão e na política de remunerações do banco público. Na tarde de quarta-feira o tema foi levado ao Parlamento e, entre acusações e críticas, o ministro das Finanças, Mário Centeno, utilizou como escudo o facto de o Governo estar "há muito" a acompanhar o processo

E não foi o único. Poucas horas depois, o primeiro-ministro, António Costa, referiu-se à polémica em torno da instituição bancária destacando que o "Governo determinou à CGD que essa auditoria fosse feita", disse o responsável aos jornalistas no Barreiro. 

Enquanto isso, Governo e oposição trocavam acusações e pediam-se responsabilidades na Assembleia da República. PSD e CDS-PP acusaram o Governo de ter responsabilidades e "não querer saber" o que se passou na Caixa. O Bloco de Esquerda, pela voz de Mariana Mortágua, estendeu uma vasta lista de nomes e projetos ligados à CGD que comprometem PSD e CDS, mas tambem o PS

Centeno já o tinha dito, mas Costa reforçou que o Executivo "deu indicações à Caixa para que se constituísse assistente no processo crime de forma a poder exercer os direitos que tem, sendo ressarcida de danos que tenha sofrido".

E mais: sobre as conclusões que têm vindo sendo divulgadas a público, António Costa destacou que a consultora EY afirmou-se apenas vinculada ao relatório final da auditoria à CGD que emitiu em junho de 2018, pelo que documentos como a versão preliminar divulgada esta semana "não devem ser considerados".

Gestores identificados na auditoria continuam ligados à banca

Dos sucessivos órgãos sociais da CGD referidos na versão da auditoria da EY a que a agência Lusa teve acesso, 17 gestores que estavam em cargos de topo no período analisado pela auditoria (2000 a 2015) - durante as decisões de concessão de crédito que originaram perdas de quase três mil milhões de euros para o banco público - continuam no setor e alguns mantêm-se mesmo na CGD.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório