Meteorologia

  • 16 NOVEMBRO 2018
Tempo
11º
MIN 11º MÁX 12º

Edição

AEP com "alguma preocupação" face à evolução da economia

A Associação Empresarial de Portugal (AEP) manifesta "alguma preocupação" com os números hoje divulgados sobre a evolução da economia portuguesa no segundo trimestre, que traduzem "o sétimo pior desempenho da União Europeia".

AEP com "alguma preocupação" face à evolução da economia
Notícias ao Minuto

13:28 - 14/08/18 por Lusa

Economia Nunes de Almeida

"Muito embora o PIB [Produto Interno Bruto] tenha acelerado (para 2,3%, em termos homólogos) a um ritmo ligeiramente superior ao da UE [União Europeia] (2,2%), não chega para contrariar a divergência registada nos últimos trimestres, quanto mais a ocorrida desde início do milénio", sustenta o presidente da AEP numa nota escrita enviada à agência Lusa.

É que, recorda Paulo Nunes de Almeida, "entre 2000 e 2017 o PIB nacional registou um crescimento acumulado, em volume, de apenas 7,5%, face a 26,9% na UE, o que exige do nosso país um grande esforço de recuperação".

Neste contexto, a associação demonstra "alguma preocupação" com os números hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) para o período de abril a junho, "onde Portugal regista o sétimo pior desempenho da UE (a par com a República Checa) entre os 21 países com dados".

Nunes de Almeida aponta ainda como "fator de preocupação" que "tenha sido o consumo a impulsionar a ligeira aceleração do PIB, contrariando o abrandamento do investimento e a manutenção de um contributo negativo da procura externa líquida".

O "desejável para o crescimento sustentado da economia", sustenta, "é que seja precisamente sustentado pelo investimento e pelas exportações, como a AEP sempre tem defendido".

Considerando que "estes dados exigem uma particular atenção ao apoio ao investimento e à internacionalização, em particular num contexto marcado pelas atuais guerras comerciais", a associação aponta "a conclusão da reprogramação do Portugal 2020, como forma de apoiar o investimento privado", e "a concretização de investimento público, permanentemente adiado", como "dois aspetos que merecem especial atenção, entre outros".

O crescimento da economia portuguesa acelerou no segundo trimestre, ao avançar 2,3% face ao mesmo período do ano anterior e 0,5% em cadeia, avançou hoje o INE.

De acordo com a estimativa rápida divulgada hoje, no segundo trimestre o PIB aumentou 2,3% em termos homólogos no segundo trimestre e 0,5% em cadeia, acima dos crescimentos de 2,1% em termos homólogos e de 0,4% em cadeia registados no primeiro trimestre do ano.

Face ao período homólogo de 2017, explica o INE, a procura interna registou um contributo "mais positivo", em resultado da aceleração do consumo privado, enquanto o investimento apresentou um crescimento "menos acentuado", explicado em "larga medida" pela diminuição da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) em material de transporte.

A procura externa líquida apresentou um contributo negativo idêntico ao observado no trimestre anterior.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório