Meteorologia

  • 16 JULHO 2019
Tempo
22º
MIN 19º MÁX 25º

Edição

SPA considera escolha de Chico Buarque "dos momentos mais altos"

A Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) disse hoje ter recebido "com grande satisfação" a notícia da atribuição do Prémio Camões ao músico e escritor Chico Buarque, e considera a escolha "um dos momentos mais altos na história do galardão".

SPA considera escolha de Chico Buarque "dos momentos mais altos"
Notícias ao Minuto

16:30 - 22/05/19 por Lusa

Cultura Prémio Camões

Em comunicado, a SPA recorda que Chico Buarque "tem sido sempre, no Brasil, um firme defensor do direito de autor, e das sociedades que representam os criadores".

A entidade, no comunicado, felicita ainda o artista e espera que esta distinção "reforce no Brasil a importância da cultura na vida coletiva, e também para o fortalecimento da democracia, sendo sabido que o país atravessa tempos complexos e incertos".

Como a obra de Chico Buarque "é um símbolo poderoso da criatividade e da liberdade de expressão, deseja a SPA que este prémio também ajude a preservar e a engrandecer esses valores contra o obscurantismo e a intolerância".

Chico Buarque, de 74 anos, foi anunciado na terça-feira como o vencedor do Prémio Camões 2019, após reunião do júri na Biblioteca Nacional do Brasil, no Rio de Janeiro.

Escritor, compositor e cantor, nascido em 19 de junho de 1944, no Rio de Janeiro, Francisco Buarque de Hollanda estreou-se no romance com "Estorvo", em 1991, a que se seguiram "Benjamim", "Budapeste", "Leite Derramado" e "O Irmão Alemão", publicado em 2014.

Chico Buarque fora já distinguido duas vezes com o prémio Jabuti, o mais importante prémio literário no Brasil, pelo romance "Leite Derramado", em 2010, obra que também venceu o antigo Prémio Portugal Telecom de Literatura (atual Prémio Oceanos), e por "Budapeste", em 2006.

Em 2017, venceu em França o prémio Roger Caillois pelo conjunto da sua obra literária.

O Prémio Camões de literatura em língua portuguesa foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, com o objetivo de distinguir um autor "cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento do património literário e cultural da língua comum".

Foi atribuído, pela primeira vez, em 1989, ao escritor Miguel Torga. Em 2018 o prémio distinguiu o escritor cabo-verdiano Germano Almeida, autor de "A ilha fantástica", "Os dois irmãos" e "O testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo", entre outras obras.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório