Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2017
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 14º

Edição

Vozes ao Minuto

Vozes ao Minuto

Vozes com opinião. Todos os dias.

"Faz-me confusão que não haja um programa de música em horário nobre"

A cantora Teresa Salgueiro é a entrevistada de hoje do Vozes ao Minuto.

"Faz-me confusão que não haja um programa de música em horário nobre"
Notícias ao Minuto

17/11/17 por Notícias Ao Minuto

Cultura Teresa Salgueiro

É já no próximo sábado que Teresa Salgueiro sobe ao palco de uma das mais emblemáticas salas da capital, a Aula Magna, para, num cenário envolvente e intimista, apresentar o 'Horizonte e a Memória'. Mais do que um breviário de canções representativas da tradição musical portuguesa, este espetáculo pretende levar ao público uma musicalidade distinta, permitindo-lhe viajar entre os temas do álbum mais recente da cantora e pela reminiscência de artistas intemporais como Amália Rodrigues, Zeca Afonso e Carlos Paredes. 

Há três décadas a 'viajar' pelo mundo com a música portuguesa na 'bagagem', Teresa Salgueiro, ex-vocalista dos Madredeus, decidiu, em 2011, embarcar numa carreira a solo, rumo a um reportório de originais, assumindo não só a direção musical como a escrita das letras.

'O Mistério' e o 'Horizonte' - os dois discos da sua autoria - são, por isso, obras que lhe saíram da 'alma'; letras que fluíram quando colocou o coração na ponta dos dedos. Em entrevista ao Notícias ao Minuto, a autora abre as 'portas' deste universo de criação musical, tecendo também um retrato das duas décadas em que deu voz aos Madredeus, com mais de cinco milhões de álbuns vendidos em todo o mundo. 

Depois de 20 anos a dar voz aos Madredeus, eis que em 2011 decide prosseguir viagem rumo a um álbum de originais, assumindo a direção musical e a escrita das letras. Esta iniciativa foi, sobretudo, um desafio?

A ideia de fazer um reportório original surge pouco depois da minha saída dos Madredeus. Foi então que pensei que não poderia desistir da música. Apesar de entretanto ter continuado a colaborar com alguns artistas, mantive a ideia de gravar um tributo à riqueza, à variedade e à antiguidade da nossa cultura. Comecei, então, por gravar um disco – ‘Matriz’ – em colaboração com outro artista. E depois fui desafiada por um músico com quem ainda trabalho, Rui Lobato, para integrar um grupo de composição. Fui ao primeiro ensaio e percebi que tinha essa capacidade porque surgiam ideias de melodias. Porém, não foi fácil encontrar pessoas com a mesma visão da música, com a mesma disponibilidade e com todo o tempo que é necessário para editar um álbum. Por isso, durante alguns anos fui colaborando com outros artistas, tais como os ‘Solis String Quartet’ - um quarteto de cordas napolitano – no projeto ‘Canti Naviganti’. Tratava-se de um projeto musical com arranjo de uma série de canções italianas e, a certa altura, achei que seria interessante integrar temas portugueses.

Não foi fácil encontrar pessoas com a mesma visão da músicaFoi nessa altura que percebeu que estava na altura de regressar a Portugal e de se refugiar no Convento da Arrábida?

Sim, estava na altura de iniciar um novo percurso na minha vida profissional de criação de um reportório. Foi um grande desafio, mas correu muito bem. Estivemos oito meses em gravação e fomo-nos encontrando entre concertos. Depois, em agosto de 2011, fomos então para o Convento da Arrábida, montámos um estúdio e lá estivemos um mês a gravar.

Escrever letras das músicas era um ‘território’ novo. Como decorreu o processo criativo?

Quando fomos para estúdio ainda tinha letras para escrever. Mas acabou por correr muito bem. Sentia que havia um espaço de criação comum a todos os elementos. Gravámos então o ‘Mistério’ que é, sobretudo, uma edição de autor em Portugal. E esse álbum encontrou o entusiasmo de editores noutros países. O disco acabou por fazer uma longa viagem e confesso que já tinha em mente a ideia de concretizar um segundo trabalho, o que efetivamente veio a acontecer com a edição do ‘Horizonte’. Entretanto alguns músicos foram mudando, mas houve um núcleo que se manteve, nomeadamente eu, o Rui Lobato na bateria, percussão e guitarra e o Óscar Torres no contrabaixo.

Foi igualmente fácil escrever as letras? Fluíam com naturalidade no segundo álbum?

Neste segundo álbum foi mais complicado. Fiz o mesmo processo, deixando a escrita das letras para o final, mas não foi assim tão simples como da primeira vez. Levou mais tempo e precisei de me deslocar e de abrir um capítulo numa ‘cápsula' temporal e espacial. Recolhi-me e estive mesmo dedicada só à escrita, que depois acabou por correr muito bem. Este processo de composição foi também muito mais exigente porque quis aprofundar a linguagem que tinha sido criada e aflorada no ‘Mistério’. Estou contente com o resultado.

Como descreve este álbum, o ‘Horizonte’?

Trata-se de uma confirmação da vontade, desse amor e dedicação à música. Uma necessidade de dizer alguma coisa de novo. No fundo, foi a isto que me habituei nos Madredeus. A escola que eu tinha era de um grupo que se dedicava à divulgação de originais cantados em língua portuguesa e que ciclicamente renovava o seu reportório. E o ‘Horizonte’ faz parte dessa tradição. E a partir do momento em que sentimos que temos alguma coisa a dizer temos a capacidade de, juntamente com outras pessoas, criar uma linguagem. É então que a nossa música se torna uma entidade; uma entidade que é exterior e que nos chama, à qual queremos responder com o nosso melhor. E a forma de melhor responder era fazer um segundo disco.

Tanto em termos musicais como de letras, o ‘Horizonte’ fala-nos dos nossos sonhos. No fundo, um horizonte é um sonho, ou seja a capacidade de projetar uma ideia, de imaginar e depois ir ao encontro, sabendo sempre que essa ideia vai ser muito maior e diferente do que projetamos inicialmente. Os nossos sonhos são simbolizados pela tal linha do horizonte e estão em constante mudança assim como nós. Assim que começamos um caminho em direção ao que desejamos encontrar estamos em contacto permanente com o mundo tangível. O horizonte nunca se chega a atingir, mas o sonho permanece.

O ‘Horizonte e a Memória’, o tema do concerto que irá levar este sábado à Aula Magna, já foi apresentado no Porto. Curiosamente, esta foi a cidade onde cantou pela primeira vez com os Madredeus. Há aqui uma simbologia associada?

De facto, enquanto vocalista dos Madredeus, apresentei-me pela primeira vez em palco no Teatro Carlos Alberto, no Porto. Embora este concerto não tenha decorrido na mesma sala, é sempre uma emoção voltar ao Porto até porque é uma cidade que eu gosto muito e pela qual tenho um carinho especial. No ano passado, quando o 'Horizonte' foi publicado, fizemos concertos no Porto e em Lisboa e entretanto surgiu uma nova oportunidade de voltar a cantar nestas cidades e não quis repetir o concerto. Até porque ele entretanto foi viajando pelo mundo; estivemos na Suíça, na Turquia, na Finlândia, na Macedónia, em Taiwan, em Itália, em Espanha e muito recentemente no Brasil.

Por isso, agora que voltámos já foi com este conceito do ‘Horizonte e a Memória’, onde irei interpretar também os mais conhecidos temas dos Madredeus, prestando ainda homenagem a Amália Rodrigues, José Afonso, Carlos Paredes, entre outros. Desde o início que tinha a ideia de cantar alguns temas que nunca cantei, mas que são importantes para mim, não só enquanto autora de um determinado reportório, mas também enquanto intérprete. Há músicas que fazem parte da memória coletiva e quis trazê-las ao palco, prestando homenagem aos seus autores.

Há músicas que fazem parte da memória coletiva e quis trazê-las ao palco, prestando homenagem aos seus autoresQuis dar uma lufada de ar fresco a este novo concerto...

Não sei se é uma lufada de ar fresco, mas são músicas que para mim representam muito porque, de facto, no ‘Horizonte’, o sonho é fundamental. E o nosso corpo caminha em direção ao horizonte que é feito de memórias. Sem elas somos muito pouco. Daí a ideia de introduzir mais algumas músicas e de construir uma narrativa num concerto que no fundo é o encadeamento de alguns temas do horizonte da cultura portuguesa de alguns autores.

Quando canta, escreve e compõe, em que ‘deuses’ da música portuguesa se inspira?

No nosso país há três figuras que, para mim, são fundamentais: Amália Rodrigues, Carlos Paredes e Zeca Afonso. No caso da Amália, foi uma artista que conseguiu renovar completamente a música portuguesa e levá-la para o mundo. Por sua vez, o Zeca foi excecional na sua inspiração, cantando uma música profundamente portuguesa de uma variedade e de uma riqueza que transmite um pouco dos locais por onde foi passando. Pode dizer-se inclusive que a música dele é até de uma ousadia em termos de arranjo que continua a ser atual. A capacidade que ele tinha de traduzir tantos traços da nossa cultura e a capacidade que ele teve de reivindicar um lugar de liberdade são de assinalar. Já Carlos Paredes tinha aquele retrato incrível. As suas composições são de uma profundidade… E a forma como ele toca a guitarra revolucionou o mundo da música. Ele elevou a guitarra a outro patamar.

São três artistas intemporais…

A música deles é uma fonte à qual podemos sempre recorrer e que tem muito a dar. São fontes inesgotáveis.

No nosso país há três figuras que, para mim, são fundamentais: Amália Rodrigues, Carlos Paredes e Zeca AfonsoNo mundo da música nacional é uma das figuras com maior ‘bagagem’. Como era ser-se músico quando começou a cantar profissionalmente em comparação com a atualidade?

Sempre foi complicado ser-se músico em Portugal. E continua a ser por variadíssimas razões. Uma delas prende-se com o facto de sermos um território pequeno. Outra das dificuldades deriva da cultura da comunicação da música em Portugal e de outras artes. Faz-me muita confusão que não haja um programa de música em horário nobre em nenhuma televisão portuguesa. Não só não se ouve música portuguesa na rádio, como na televisão não há um lugar para se tocar ao vivo. Todos os programas em que ouço música são concursos e nesses o que vemos são imitações de artistas que cantam em inglês. Acredito que esses concursos têm de ter um lugar, não é isso que está em causa. O problema é não haver um espaço para a música que se faz hoje em dia e faz-se muita e variada. Portugal é um país com um potencial riquíssimo em termos culturais. De norte a sul há uma variedade imensa de culturas. Portugal sempre foi um lugar de cruzamento de culturas e é preciso fazer-se um trabalho de valorização desta cultura.

Os Madredeus foram o primeiro grupo português a profissionalizar-se e, naquele período, era muito complicado em Portugal as pessoas se dedicarem exclusivamente à música. O país mudou, a realidade mudou, a indústria da música mudou e, para além disso, hoje em dia há muito mais escolas do que aquelas que existiam na altura e há muitos mais músicos formados que se dedicam à música. Porém, a grande maioria não se consegue dedicar exclusivamente a esta arte, a não ser que estejam em orquestras. O que acontece é que muitos são professores de música para conseguirem sobreviver, o que faz com que não tenham a mesma disponibilidade para poderem dar concertos.

Foram 20 anos de Madredeus, um percurso ao longo do qual recolheu rasgados elogios por parte da crítica e do público. Foram 20 anos a levar a música portuguesa aos quatros cantos do mundo?

Foi um longo percurso; um encontro extraordinário com uma série de músicos com quem trabalhei ao longo desses 20 anos. Foi, sobretudo, um encontro com a música, com o canto e com os palcos de forma profissional. Foi o retrato de uma aventura única na música portuguesa.

Os Madredeus chegaram às ‘luzes da ribalta’ numa altura em que o ramo da música funcionava de forma muito diferente…

Sim, o ramo dos discos era muito diferente e o próprio marketing hoje em dia funciona de maneira muito distinta. Os Madredeus apareceram em Portugal num momento em que ainda havia alguma rejeição face a uma certa cultura portuguesa – rejeição essa que se acentuou depois do 25 de abril. Na altura a sociedade rejeitava os símbolos da portugalidade, que tinham sido absorvidos e promovidos pelo antigo regime. Mas esta era, a meu ver, uma reação errada porque os símbolos não eram desse regime. Aliás, por causa dessa realidade fizeram-se coisas horríveis, a maior delas foi a perseguição à Amália – alguém que dedicou toda a sua vida à música e foi, e é, amada pelos portugueses. Até certa altura a música da Amália foi banida da rádio e da televisão. Foi uma grande maldade e injustiça.

Entretanto, nos anos 80, começou a haver um grande movimento de música, o chamado ‘boom’ do rock português, de música original cantada em português, mas com aquela linguagem anglo-saxónica. Um movimento muito interessante mas que também era alvo de rejeição.

Faz-me muita confusão que não haja um programa de música em horário nobre em nenhuma televisão. Não só não se ouve música portuguesa na rádio, como na televisão não há um lugar para se tocar ao vivoE é nessa altura que surgem dos Madredeus….

Exato. E quando aparecem começam por fazer uma música de matriz completamente portuguesa, urbana e rural, que não era o fado. Aliás, este é um aspeto que passámos a vida a tentar explicar [risos]. Tratava-se de uma musicalidade muito familiar. Isso foi o que senti quando fui chamada para fazer a audição. Eram músicas novas mas que eram muito familiares e muito próximas de uma sensibilidade que eu tinha. Em Portugal este conceito foi muito bem recebido porque existia esse vazio. Em termos de crítica e de público a ideia foi muito bem acolhida. Seguiu-se, então, uma longa viagem e os concertos eram autênticas festas. O primeiro disco de estúdio, ‘Existir’ foi gravado três anos depois e publicado também na Bélgica. Em 1994, lançámos ‘O Espírito da Paz’ e fomos ainda convidados para gravar a banda sonora do filme ‘Lisbon Story’ de Wim Wenders. Estes dois discos acabariam por ser publicados em 32 países em simultâneo. A partir daí foi uma aventura que durou até ao final de 2007.

Algum dos álbuns dos Madredeus a marcou particularmente?

Todos me marcaram de alguma forma. Quando cantamos um tema temos de nos entregar completamente. E todos os álbuns tiveram a sua razão de existir e a sua vida. Recordo-me especialmente do primeiro, que foi um álbum gravado em condições inusitadas, durante três longas madrugadas. É um disco em que se ouve como se fosse um panfleto poético. É um símbolo daquele início e já faz 30 anos. Já o ‘Espírito da Paz’ marca uma cristalização da vocação do grupo para o percurso internacional, para uma constante viagem e uma dedicação total à música.

Campo obrigatório