Meteorologia

  • 02 ABRIL 2020
Tempo
12º
MIN 7º MÁX 19º

Edição

Equipamentos desenvolvidos no Porto testam antena europeia desdobrável

Investigadores do Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial (INEGI), no Porto, estão a desenvolver equipamentos para "testar e validar" o desempenho da "primeira antena europeia desdobrável de grandes dimensões", revelou hoje o responsável.

Equipamentos desenvolvidos no Porto testam antena europeia desdobrável

"<span class="nanospell-typo">Atualmente, a Europa não tem capacidade de fabricar, produzir e colocar em órbita satélites e refletores, há uma grande dependência da Europa a outros países e é por isso que surge [o projeto]", afirmou, em declarações à Lusa, Filipe Lopes, investigador do INEGI.

Segundo o responsável, foi a partir desta necessidade, identificada pela Comissão Europeia e apoiada pela Agência Espacial Europeia (ESA), que surgiu o 'WeLEA', um projeto europeu financiado em 4,9 milhões de euros pelo programa Horizonte 2020.

Iniciado em 2017, o projeto, que junta 15 parceiros de seis países europeus, vai desenvolver soluções para testar a "primeira antena europeia desdobrável de grandes dimensões", que terá uma arquitetura escalável de cinco a 20 metros de diâmetro.

A antena, desenvolvida ao abrigo do projeto europeu "LEA -- Large European Antenna", vai ser, segundo o investigador, "crucial para missões de observação da terra, meio ambiente, mas também para telecomunicações, segurança e defesa".

Além da antena, estão a ser desenvolvidos outros dois equipamentos: um refletor de grandes dimensões, que permitirá uma maior "resolução na comunicação e obtenção de dados" e um braço desdobrável.

No âmbito deste projeto, o INEGI está responsável pelo desenvolvimento de cinco equipamentos que, em terra, vão "validar" o comportamento desta antena, antes do seu lançamento para o espaço.

"Estamos a desenvolver equipamentos mecânicos para em terra simular as condições reais que existirão no espaço, de modo a poder testar e validar as condições", referiu.

Dos cinco equipamentos desenvolvidos pelo instituto do Porto, dois já estão em fase de teste, sendo que um deles visa "medir a precisão da superfície do refletor e testar a radiofrequência em gravidade zero" e o outro, "validar a funcionalidade dos vários sistemas do refletor".

Até ao final do ano, os investigadores pretendem desenvolver os restantes equipamentos, sendo que dois serão testados em "câmara de vácuo e vibração" para simular a descolagem do aparelho, e outro para testar a "distorção do braço da antena".

À Lusa, o investigador Filipe Lopes adiantou que o "grande beneficio" e "mais-valia" deste projeto é, efetivamente, "fazer com que a Europa tenha capacidade de se tornar independente", lembrando, contudo, que apesar do projeto terminar este ano, tal não indica que a antena seja lançada para o espaço.

"Ainda temos muito trabalho pela frente e muito para validar", concluiu o investigador.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório