Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2018
Tempo
20º
MIN 20º MÁX 20º

Edição

"Costa arrisca transformar-se em agente poluidor do debate político"

O líder do PSD, Passos Coelho, desafiou hoje António Costa a dizer quem é que em Portugal defende que o país tem licenciados a mais, acusando o primeiro-ministro de poder transformar-se num "agente poluidor" do debate político.

"Costa arrisca transformar-se em agente poluidor do debate político"
Notícias ao Minuto

19:10 - 10/09/17 por Lusa

Política Passos Coelho

Passos Coelho, que falava no concelho de Pombal, distrito de Leiria, recordava o discurso do primeiro-ministro hoje, em Matosinhos, em que, referindo-se ao aumento do número de alunos colocados no ensino superior, sublinhou que essa notícia significava que os portugueses "deixaram de dar ouvidos àqueles que diziam que tínhamos licenciados a mais e que não era importante continuar a estudar".

O líder social-democrata realçou que "nunca, em qualquer tempo", se recorda, "seja à direita, ao centro ou à esquerda, de ouvir ninguém dizer" que Portugal tem licenciados a mais, "que as pessoas não deveriam continuar a estudar, que o que era bom era ter uma economia com salários baixos e que o melhor mesmo era as pessoas ganharem pouco".

"Não tenho ideia", sublinhou Passos Coelho, desafiando António Costa a dizer a quem é que se estava a referir e se conhece "alguém que tenha feito declarações nesse sentido".

Para o presidente do PSD, o primeiro-ministro "não pode dizer impunemente estas coisas sem ser chamado à atenção".

"Se, reiteradamente, ele [António Costa] aparece com este tipo de afirmação, então eu julgo que ele se transforma ele próprio numa espécie - já não é de um agente provocador - é de um agente poluidor do nosso debate político", considerou.

Para o ex-primeiro-ministro, deveria haver "um certo limite para se dizerem estas coisas, sem consequência, de forma gratuita, com impunidade", defendendo que António Costa "tem a obrigação de fundamentar este tipo de acusações" e mostrar "a quem se está a referir".

"Se o primeiro-ministro não responder a estas questões, então vai começando a ficar uma espécie de traço político que se vem acentuando, em que o doutor António Costa vai produzindo afirmações que não têm qualquer suporte na realidade", referiu.

Já no final do seu discurso, Passos Coelho salientou que gostava que o Governo pudesse exibir "uma qualidade reformista, aberta, sem ressentimentos, sem estar sempre a rotular os seus adversários, a imputar-lhes afirmações que não existem, posicionamentos que não são verdadeiros".

Passos Coelho discursava na festa do PSD de Pombal, que decorreu hoje no Parque de Merendas da Ilha.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório