Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2017
Tempo
22º
MIN 19º MÁX 24º

Edição

PSD quer ouvir ministra sobre cortes nas forças de segurança

O PSD vai pedir a audição da ministra da Administração Interna no parlamento sobre os constrangimentos financeiros que considera estarem a comprometer a eficácia das forças de segurança nacionais, disse hoje o deputado Carlos Abreu Amorim.

PSD quer ouvir ministra sobre cortes nas forças de segurança
Notícias ao Minuto

14:10 - 08/08/17 por Lusa

Política Carlos Abreu Amorim

O parlamentar social-democrata afirmou à agência Lusa que, quando o PSD interrogou a responsável da pasta da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, sobre os constrangimentos, cortes e cativações nas forças de segurança (GNR, PSP e SEF) a ministra negou a sua existência.

Contudo, acrescentou, as notícias agora divulgadas confirmam "a gravidade do problema".

Segundo avança hoje o jornal Diário de Notícias, o Comando Territorial do Porto da GNR assume, numa comunicação a todas as chefias do distrito, que os constrangimentos orçamentais para a reparação e manutenção de viaturas são de tal forma que levam a medidas de contenção rigorosas.

"As noticias confirmam que temos um problema grave na operacionalidade e eficácia na área da segurança interna. Sabemos que a situação não se resume só ao Porto e que o enfraquecimento das forças de segurança também afeta a PSP e o SEF", declarou o deputado.

Carlos Abreu Amorim, um dos vice-presidentes do Grupo Parlamentar do PSD, criticou ainda o Governo socialista, afirmando que se registou um corte de 26% ao nível da segurança interna.

"Quando se diz que a austeridade acabou, ela continua e põe em causa os serviços de soberania ao contrário do que aconteceu no período em que havia os constrangimentos impostos pela 'troika'", considerou o deputado.

Neste sentido, o Grupo Parlamentar do PSD vai ainda hoje apresentar um requerimento para ouvir as explicações da ministra da Administração Interna. A audição só poderá decorrer em setembro, quando forem retomados os trabalhos parlamentares.

A cinco meses do fim do ano, o deputado disse ainda ter informações segundo as quais a Guarda Nacional Republica, a Polícia de Segurança Pública e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras "já não têm orçamento para cumprirem as missões que se lhe são confiadas".

"A situação é dramática, pois não têm meios mínimos para poderem funcionar", sublinhou.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório