Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2022
Tempo
31º
MIN 17º MÁX 32º

PCP questiona Governo sobre razões para aumento da mortalidade materna

O grupo parlamentar do PCP questionou hoje a ministra da Saúde sobre as razões do aumento da mortalidade materna e as medidas que o Governo propõe para contrariar esta tendência.

PCP questiona Governo sobre razões para aumento da mortalidade materna
Notícias ao Minuto

13:31 - 25/05/22 por Lusa

Política mortalidade materna

De acordo com uma pergunta endereçada a Marta Temido, através do parlamento, a bancada comunista pretende saber "que razões podem justificar a preocupante tendência de crescimento da mortalidade materna" no país.

"Que medidas vai o Governo tomar para que se inverta esta tendência crescente?", interpela o partido.

O PCP também quer saber os "contextos clínicos e assistenciais que levam à ocorrência desses óbitos", a percentagem de mortalidade materna nos hospitais públicos e privados, e em contexto domiciliário, e se houve mais mortes em partos naturais ou cesarianas.

De acordo com a edição de terça-feira do Jornal de Notícias, a taxa de mortalidade materna atingiu em 2020 20,1 óbitos por cada 110.000 habitantes, o valor mais elevado dos últimos 38 anos, o que levou a Direção-Geral da Saúde (DGS) a abrir uma investigação.

O JN adianta que 17 mulheres morreram devido a complicações durante a gravidez, no parto e puerpério em 2020.

Das mortes maternas registadas em 2020, a DGS especifica, numa resposta escrita ao jornal, que "oito aconteceram durante a gravidez, uma durante o parto e oito no puerpério" (até 42 dias após o parto).

Quanto aos locais dos óbitos, 13 "ocorreram em instituições de saúde".

De acordo com os dados disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) uma taxa superior de mortalidade materna foi registada em 1982, com 22,5 óbitos por 100 mil nados-vivos.

Na pergunta enviada hoje à tutela, o PCP também questiona se o executivo pode "garantir que os cuidados de saúde materna são assegurados de forma adequada a todas as mulheres que deles precisem".

"A todas as mulheres e recém-nascidos devem ser garantidos cuidados de saúde de qualidade. Têm de ser prestados os cuidados adequados durante toda a gravidez, parto e período pós-natal (...), envolvendo a prevenção ou o tratamento dos riscos, doenças e morte", sustenta o grupo parlamentar comunista.

Leia Também: Mortalidade materna atingiu nível mais alto dos últimos 38 anos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório