Meteorologia

  • 18 JULHO 2019
Tempo
25º
MIN 22º MÁX 28º

Edição

PS quer "máximo apoio" nas legislativas e continuar diálogo à esquerda

Mariana Vieira da Silva deixa porta 'entreaberta' a nova 'geringonça'.

PS quer "máximo apoio" nas legislativas e continuar diálogo à esquerda
Notícias ao Minuto

06:43 - 02/07/19 por Lusa

Política Mariana Viera da Silva

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa disse que o PS pretende obter o maior número de votos nas próximas eleições legislativas, afirmando que o partido quer continuar a dialogar à esquerda.

"Vamos a eleições com um programa procurando obter o máximo apoio para ele e tendo a noção que pode ou não ser negociado com partidos posteriormente", disse Mariana Vieira da Silva, em entrevista à agência Lusa.

Nesse sentido, destacou que o primeiro-ministro, António Costa, "já afirmou muitas vezes a sua vontade de continuar este diálogo à esquerda qualquer que seja o equilíbrio parlamentar que saia das próximas eleições".

Questionada sobre um possível acordo com o PSD, a ministra lembrou que o Partido Socialista "tem sido muito claro na ideia de que o bloco central é uma coisa que deve acontecer apenas excecionalmente e em momentos de emergência".

Sobre os resultados das próximas eleições legislativas, Mariana Vieira da Silva afirmou que a existência de maiorias e sua dimensão só "se chega à conclusão depois".

"O que é importante agora é que, qualquer partido que vá a eleições, e o PS não é exceção, pretende ter o maior número de votos e o maior apoio às suas políticas, faz parte da democracia", precisou.

A ministra considerou que as maiorias absolutas na Europa "são residuais", sendo "provavelmente uma tendência que vem para ficar nas democracias atuais".

"A capacidade de negociar no parlamento é uma coisa importante", sublinhou, destacando que o atual Governo e o PS se reveem "nas vantagens" da atual solução governativa.

"Julgo que o importante agora é cada um ir às eleições com o seu programa, discuti-lo, avaliá-lo e depois voltarmos. Tal como aconteceu em 2015, como toda a naturalidade, fazermos o debate que tivermos de fazer para constituir uma maioria no parlamento que possa dar continuidade a este equilíbrio", frisou.

Na opinião de Mariana Vieira da Silva, a coligação parlamentar entre PS, PCP e BE significou "uma mudança que ficou para o futuro" e, por isso, "nada ficará como dantes", nem mesmo as conversas sobre as maiorias absolutas.

"Nós derrubámos um muro e virámos uma página de não participação dos partidos à esquerda do Partido Socialista na definição de políticas, no caso não do Governo, mas da maioria parlamentar que o apoia", frisou ainda.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório