Meteorologia

  • 25 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

PCP e o ministro da "ficção cientifica" que vive em "terra de ninguém"

O ministro Manuel Heitor esteve esta quarta-feira no Parlamento para falar sobre emprego científico, mas as suas explicações valeram-lhe o epiteto de ministro da "ficção científica" que vive em "terra de ninguém".

PCP e o ministro da "ficção cientifica" que vive em "terra de ninguém"
Notícias ao Minuto

18:35 - 27/02/19 por Lusa

Política Deputados

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, foi ouvido na comissão parlamentar de Educação e Ciência a pedido do PCP que o convocou para que explicasse a recente entrevista que deu ao jornal Público na qual falou em "pleno emprego" entre os doutorados.

No final do debate em que os deputados confrontaram Manuel Heitor sobre emprego científico, a deputada do PCP, Ana Mesquita, considerou que o ministro "não conseguiu sustentar as declarações que proferiu" no início do mês.

Ana Mesquita recordou a onda de indignação dos investigadores e da Associação de Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) assim como a carta aberta da ABIC que reuniu mais de mil assinaturas repudiando as declarações de Manuel Heitor.

Para a deputada, o ministro "vive num país das maravilhas", tendo em conta que todos os dias chegam ao seu conhecimento "casos de doutorados desempregados".

"Casos de doutorados que continuam com bolsas não é pleno emprego. Doutorados contratados a prazo não é pleno emprego", criticou, sublinhando que "pleno emprego é ingresso na carreira e contratação sem termo".

Também o deputado do PSD Duarte Marques teceu duras críticas ao ministro acusando-o de "ignorar" as perguntas dos deputados.

"Deixámos de ter um ministro da investigação científica e passamos a ter um ministro da ficção científica", ironizou Duarte Marques.

Luis Monteiro, do Bloco de Esquerda, afirmou que os deputados já estavam "habituados que quando se discute emprego científico, o senhor ministro muitas vezes decide ficar em terra de ninguém".

Sobre a declaração de existir pleno emprego entre os doutorados, Luis Monteiro disse conhecer pessoalmente "vários colegas que estão desempregados, outros a trabalhar em instituições à borla, outros que estão à espera do PREVPAP" (programa de regularização de trabalhadores precários).

Para o deputado bloquista, a afirmação de Manuel Heitor vai "para além do que é insultuoso, torna-se uma paródia".

"A discussão não é se o investigador vai escolher o comboinho, a chavenazinha ou o cavalinho do carrossel da precariedade", afirmou a deputada do PCP, Ana Mesquita.

Em resposta, o ministro lembrou o programa de estímulo ao emprego científico lançado pelo atual governo, garantindo que o emprego científico é "uma prioridade desta legislatura".

Manuel Heitor sublinhou ainda que a situação atual "é consideravelmente melhor do que a que existia há três ou quatro anos", mas que este "é um processo que demora o seu tempo".

"Portugal tem um deficit estrutural, apesar de uma evolução nos últimos 30 anos", afirmou, lembrando que a sua equipa fez "exatamente o que estava escrito e expresso no programa do governo, seguindo obviamente as orientações europeias".

Ainda sobre o PREVPAP, Manuel Heitor anunciou que falta analisar "apenas 12% dos processos" e que o PREVPAP "deverá terminar em breve".

"Dizer que este governo não olha para o PREVPAP é não saber nada do que se passa", afirmou o ministro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório