Meteorologia

  • 21 FEVEREIRO 2019
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 18º

Edição

"Este é um Governo PS, nem sequer é um Governo de Esquerda"

O cabeça-de-lista da CDU às europeias sublinha que os quatro últimos Orçamentos do Estado foram do PS, apesar dos votos de PCP, PEV e BE, até porque este nem é "sequer um Governo de esquerda", mas minoritário dos socialistas.

"Este é um Governo PS, nem sequer é um Governo de Esquerda"
Notícias ao Minuto

06:12 - 02/02/19 por Lusa

Política João Ferreira

"A questão dos Orçamentos do Estado, não foram orçamentos do PCP, foram orçamentos do Governo do PS porque este é um Governo PS, não é um Governo das esquerdas, nem sequer um Governo de esquerda. É um Governo do PS, que não se libertou em aspetos essenciais e estruturantes das políticas de direita que levou à prática no passado", afirmou João Ferreira, em entrevista à agência Lusa.

Porém, o dirigente comunista realçou a ação preponderante de PCP e "Os Verdes" em alguns avanços de rendimentos e direitos das pessoas, pois "algumas das medidas que foram tomadas nestes três anos nunca foram tomadas antes nem seriam nunca tomadas por um Governo do PS com maioria absoluta", referindo-se às negociações orçamentais bilaterais.

"A relação de forças é a que é. O que tivemos nestes três anos foi determinado por um quadro em que o PS tem um Governo minoritário, o PSD e o CDS, juntos, também não têm maioria, mas em que a relação ainda é a que é. Os três partidos juntos têm uma proporção muito significativa dos lugares na Assembleia da República e, várias vezes, os três se juntaram para inviabilizar propostas positivas feitas pelo PCP", lamentou.

Sobre o dilema de as forças à esquerda do PS reclamarem algumas "bandeiras" para si, mas renegarem o respeito pela disciplina financeira imposta por Bruxelas e o eventual ganho eleitoral dos socialistas, nomeadamente nas últimas autárquicas, João Ferreira atribui essa noção a uma "deficiente perceção" do público, dada a menor presença no espaço mediático de PCP e PEV, por discriminação e silenciamento da comunicação social ou sobrevalorização de iniciativas de outros partidos.

"O que a situação demonstra é que o que é necessário não é andar para trás do ponto de vista do que foi esta alteração positiva na relação de forças. O facto de o PCP e a CDU terem crescido nas eleições ajudou ao que temos hoje e para irmos além do que temos hoje - é uma lição que estes três anos nos dão - o caminho passa pelo reforço da CDU necessariamente", garantiu.

João Ferreira reconheceu que o principal móbil da denominada 'geringonça' de esquerda - o PS com acordos com bloquistas, comunistas e ecologistas - foi desalojar a direita do poder, terminando o seu projeto de "subversão constitucional" e de "cortes" para dar lugar à reversão de tais medidas.

O também vereador da Câmara Municipal de Lisboa vincou que foi a CDU "a primeira força política" a dizer na noite eleitoral de outubro de 2015 que "eles perderam" (PSD/CDS-PP) quando outros partidos "baixavam os braços".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório