Meteorologia

  • 24 MAIO 2024
Tempo
20º
MIN 13º MÁX 25º

Ministério da Saúde avalia propostas das ordens nos próximos dois meses

O Governo vai avaliar nos próximos dois meses as propostas apresentadas hoje à ministra da Saúde pelas ordens profissionais, que demonstraram preocupação com a resposta assistencial do Serviço Nacional de Saúde (SNS), anunciou hoje a ministra.

Ministério da Saúde avalia propostas das ordens nos próximos dois meses
Notícias ao Minuto

16:48 - 22/04/24 por Lusa

País Saúde

"Todas as propostas que nos fizeram chegar formalmente serão agora avaliadas, uma a uma, nos próximos dois meses, porque parte delas não depende só do Ministério da Saúde, depende do Governo como um todo", afirmou aos jornalistas Ana Paula Martins, depois de se ter reunido com as ordens dos Médicos, Enfermeiros e Farmacêuticos.

A ministra explicou que é preciso que cada uma das propostas "seja avaliada no seu impacto a todos níveis".

"O prazo de dois meses não é um prazo do Ministério da Saúde. O prazo de dois meses é o prazo que Ordem dos Médicos, nas suas propostas, deu ao Ministério da Saúde para podermos responder àquilo que era o seu apelo à colaboração", esclareceu.

Todavia, Ana Paula Martins garantiu que em 60 dias haverá uma resposta para as ordens.

"No prazo de 60 dias conseguiremos dizer às ordens quais são as matérias em que esperamos a colaboração das ordens e quais são as matérias onde, naturalmente, com um calendário e com um acordo para a legislatura, poderemos caminhar", realçou.

De acordo com a governante, todas as ordens estão preocupadas com a resposta assistencial do SNS.

"Preocupadas porque sentem que é preciso dar melhor resposta, apesar de o SNS ter uma resposta bastante intensa. Diariamente, fazem-se muitas consultas, fazem-se muitas cirurgias, fazem-se muitas intervenções, mas há, de facto, como todos sabemos, listas de espera e, naturalmente, os profissionais são os primeiros interessados em conseguir responder aos seus doentes", sustentou.

A ministra salientou ainda que é preciso conseguir fixar os profissionais de saúde no SNS e no país.

"O SNS precisa desse reforço, mas o país também precisa de ficar com esses profissionais. E, nesse contexto, há várias propostas que as ordens entendem ser importantes", observou.

"Além de condições remuneratórias, que trataremos depois com os sindicatos, falámos muito de condições de formação ao longo da vida, de conciliação da vida profissional com a vida pessoal, de uma organização de cuidados de saúde que também inclua a participação dos profissionais cada vez mais nos programas e nos planos de desempenho das unidades de saúde", acrescentou.

A equipa do Ministério da Saúde iniciou hoje um conjunto de reuniões com as ordens profissionais do setor, numa semana marcada também pelo arranque das negociações com os sindicatos.

[Notícia atualizada às 17h07]

Leia Também: Ordem dos Farmacêuticos saúda abertura ao diálogo do Ministério da Saúde

Recomendados para si

;
Campo obrigatório