Meteorologia

  • 27 FEVEREIRO 2024
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 14º

Saudades? Costa confessa que "emoções vivem-se connosco próprios"

O chefe do Governo emocionou-se no último Conselho de Estado e, mais recentemente, no dia da aprovação do último Orçamento de Estado do seu Executivo.

Saudades? Costa confessa que "emoções vivem-se connosco próprios"
Notícias ao Minuto

18:03 - 07/12/23 por Daniela Filipe

País Governo

No último dia em funções, o primeiro-ministro demissionário, António Costa, escusou-se a comentar se sentirá saudades do cargo e do Governo que, agora, abandona, tendo ressalvado que foi educado no sentido em que “as emoções se vivem connosco próprios”.

“Acho que a saudade é uma palavra original do português. É boa inspiradora para a lírica; não é uma boa forma de estar na vida”, começou por responder, face à insistência da imprensa, esta quinta-feira.

É que, recorde-se, o chefe do Governo emocionou-se no último Conselho de Estado, que ditou a dissolução da Assembleia da República, bem como no agradecimento que teceu à esposa, Fernanda Tadeu, no seu discurso de demissão. Mais recentemente, Costa não conteve as lágrimas no dia da aprovação do último Orçamento de Estado do seu Executivo.

Mas, perante a imprensa, Costa mostrou-se sorridente e, até brincalhão.

Agora tenho é saudades do elevador, que não chega”, disse.

‘Traído’ pelo elevador, o chefe do Governo apontou que “todos os seres humanos têm emoções”, sendo que “cada um vive as emoções como sabe ou como pode”.

Fui educado [no sentido em] que as emoções se vivem connosco próprios”, disse, quando o seu ‘salvador’ chegou.

De notar que, a partir de sexta-feira, o Governo ficará em gestão e, por isso, limitado aos atos estritamente necessários ou inadiáveis à continuação da sua atividade.

António Costa apresentou a sua demissão ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a 7 de novembro, devido a uma investigação judicial sobre a instalação de um centro de dados em Sines e negócios de lítio e hidrogénio, que levou o Ministério Público a instaurar um inquérito autónomo no Supremo Tribunal de Justiça que o visa.

O chefe de Estado aceitou de imediato a demissão do primeiro-ministro e anunciou a formalização da demissão do Governo para hoje. Por seu turno, apontou a dissolução do Parlamento para 15 de janeiro, no contexto das eleições legislativas antecipadas, marcadas para 10 de março.

Leia Também: A partir de amanhã, Governo está oficialmente em gestão. O que significa?

Recomendados para si

;
Campo obrigatório