Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 9º MÁX 17º

"Profunda mágoa". Pais de vítima e agressora do Seixal quebram o silêncio

José Lemos, pai do menino de 12 anos que foi atropelado, e Cláudia Barata, mãe da agressora, falaram às televisões e explicaram o ângulo sobre o qual cada um vê o caso de alegado bullying. Vítima ficou com ferimentos ligeiros.

"Profunda mágoa". Pais de vítima e agressora do Seixal quebram o silêncio
Notícias ao Minuto

16:50 - 26/05/21 por Notícias ao Minuto

País Seixal

O pai do menino de 12 anos que foi atropelado, na quinta-feira, na Estrada Nacional 10-2 no Seixal, distrito de Setúbal, quando estava a ser vítima de uma alegada prática de bullying por parte de colegas falou à RTP3, onde revelou "revolta" e "profunda mágoa"

Nas palavras de José Lemos, "não houve, de modo algum, uma informação coerente" e "o que ficaria registado era que o miúdo tinha atravessado a estrada e que tinha acontecido aquilo [o atropelamento]"

Foi depois de ver o vídeo, que circula na Internet, que perceberam o que tinha sucedido e apresentaram queixa na Polícia de Segurança Pública (PSP), que investiga. A autoridade já confirmou a veracidade das imagens

Neste momento, a queixa já foi formalizada "para duas pessoas", quem "filma e quem faz os atos". O pai da criança disse à estação pública que apenas recebeu um email da diretora de turma do filho que disse que a situação tinha sido "uma brincadeira".

"Desde o momento em que aconteceu o episódio temos sempre duas vias a seguir: a primeira é aquela que nunca se deve fazer e que está no coração de toda a gente, não é preciso dizer mais. A segunda é aquilo que se deve fazer até ao final, que é a lei", concluiu José Lemos.

"Não sei se querem que eu faça um vídeo a dar-lhe uma tareia"

Já a mãe da agressora, Cláudia Barata, diz que ficou "muito transtornada, muito triste e muito preocupada" com o que aconteceu e "principalmente com a criança que foi atropelada". À SIC, a mulher afirmou que a família teve uma reação "muito preocupada" e que tentou "fazer de tudo para entrar em contacto com os pais da criança". 

"Mesmo que não tivesse sido atropelada - e se eu tivesse visto aquele vídeo - tinha a mesma reação que tive com a minha filha. Ela está com a cabeça feita em água, está de castigo, tirámos-lhe tudo. Não sei se querem que eu faça um vídeo a dar-lhe uma tareia e que ponha nas redes sociais, porque neste momento nas redes sociais é aquilo que acho que pretendem que eu faça", apontou ainda. 

Para Cláudia, neste momento "toda a gente quer a cabeça da Jéssica" e quer "que ela seja punida". "Não sei o que pretendem, se é que ela seja crucificada em direto", frisou, acrescentando que "os pais tiveram o direito de fazer uma queixa na PSP" e que o "caso vai para o Tribunal de Menores". 

À estação, a progenitora disse ainda: "Não sei porque é que não aguardaram o final desta história, preferiram por nas redes sociais, na televisão, para que toda a gente soubesse. Tentei falar com a mãe [da vítima] que não quis falar comigo".

Quanto à filha, Cláudia Barata diz que para a conhecer basta "falar com a diretora de turma, os professores e os colegas. "A Jéssica não é o monstro que estão a desenhar, aquilo foi uma brincadeira que correu muito mal, infelizmente, o menino decidiu atravessar a estrada sem olhar". 

"Eles são crianças, não podemos considerar tudo bullying. Dispus-me, procurei todos os meios para falar com os pais e eles nunca aceitaram falar connosco", referiu. Quanto à vítima, a mãe da agressora indicou que a filha lhe disse que "o menino é um bocadinho chato e imaturo", ou seja, "pica-miolos". 

Ministério Público abre inquérito ao caso
 
De lembrar que a Procuradoria-Geral da República (PGR) já informou que "os factos deram lugar à instauração de inquérito tutelar educativo, que corre termos na Ministério Público do Juízo de Família e Menores do Seixal".

"O inquérito tutelar educativo é de natureza reservada e encontra-se previsto na Lei Tutelar Educativa, quando estão em causa factos qualificados pela lei como crime, praticados por menor entre os 12 e os 16 anos", afirmou a PGR, em resposta escrita à Lusa.

A PSP identificou também "todos os intervenientes nas agressões, em estreita colaboração com a escola". De acordo com a TVI, o incidente envolve alunos escola António Augusto Louro, na Arrentela, e a vítima sofreu ferimentos ligeiros, acabando por ser encaminhada para o hospital para ser assistida. 

Leia Também: Bullying. MP abre inquérito ao caso do menor atropelado no Seixal

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório