Meteorologia

  • 29 MARçO 2020
Tempo
17º
MIN 9º MÁX 19º

Edição

Ministro da Defesa manifesta "grande consternação" com morte de militar

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, manifestou "grande consternação" com a morte de um paraquedista, hoje, na Base Aérea n.º11, em Beja, devido a uma falha na abertura do paraquedas.

Ministro da Defesa manifesta "grande consternação" com morte de militar

"Foi com grande consternação que tomei conhecimento esta manhã da morte trágica de um militar do Exército durante um exercício. As minhas primeiras palavras, de pesar, são dirigidas à família enlutada", pode ler-se numa declaração de João Gomes Cravinho enviada à agência Lusa.

Um militar paraquedista português, de 34 anos, morreu hoje na Base Aérea n.º 11, em Beja, durante a execução de um salto de queda livre e após o sistema de paraquedas não ter funcionado devidamente, anunciou o Exército.

"Gostaria de manifestar também à família militar e aos amigos, as minhas sinceras condolências. Falei com o Estado-Maior do Exército que me garantiu estar a ser prestado o necessário apoio psicológico à família. Tenho também a informação de que estão a ser feitas as averiguações necessárias para apurar o que aconteceu", conclui a nota do ministro.

O acidente ocorreu às 09:40 e o militar do Exército Português estava a participar no exercício multinacional "Real Thaw 2019", que decorre desde o dia 22 deste mês e até dia 04 de outubro, a partir da Base Aérea n.º 11, e inclui operações em vários pontos de Portugal.

"Durante a execução de um salto de queda livre operacional, o sistema de paraquedas não funcionou devidamente, tendo resultado na queda do militar dentro do perímetro da Base Aérea n.º 11", explica o Exército, em comunicado enviado à agência Lusa.

Após a queda do militar, "foram acionados os procedimentos de emergência médica", indica Exército, referindo que está a realizar o processo de averiguações para apurar todas as circunstâncias em que ocorreu o acidente.

O Exército lamenta a morte do militar e refere que já apresentou as "mais sentidas condolências" e acionou o apoio psicológico à família.

O "Real Thaw 2019" envolve meios e militares da Força Aérea, da Marinha e do Exército de Portugal, das forças aéreas de Espanha, França e Estados Unidos da América e da NATO, num total de 600 militares e 21 aeronaves.

Segundo a promotora do exercício, a Força Aérea Portuguesa (FAP), o "Real Thaw 2019" visa avaliar e certificar a capacidade operacional de militares da FAP, "criando também condições únicas para que os meios da NATO treinem conjuntamente, desenvolvam interoperabilidade e reforcem a prontidão".

As operações do "Real Thaw 2019" decorrem dia e noite, no ar, em terra e no mar e foram planeadas para "terem o mínimo impacto no meio ambiente e na população".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório